Jornal Página 3

ITBI gera aumento de receita e enxurrada de reclamações
Waldemar Cezar Neto.
Tributo em valor elevado deixou setor imobiliário em pé de guerra.
Tributo em valor elevado deixou setor imobiliário em pé de guerra.

Quarta, 6/12/2017 11:39.

A mudança na forma de calcular o Imposto sobre Transmissão Inter Vivos de Bens Imóveis e de Direitos Reais sobre Imóveis (ITBI) por parte da prefeitura de Balneário Camboriú; um programa de descontos para pagamento a vista e de parcelamento aumentaram a receita desse tributo e geraram indignação em setores da sociedade.

Essas reclamações que envolvem construtores, corretores, contabilistas e compradores surgiram porque a prefeitura passou a usar como base de cálculo para o imposto o valor de mercado do imóvel, o que eleva o tributo e, segundo os críticos, é ilegal e prejudica a economia do município.

Além disso uma guia para pagamento do ITBI que até o ano passado era emitida quase que na hora agora demora cinco dias.

Diante da enxurrada de críticas o prefeito Fabrício Oliveira teria, segundo apurou a reportagem, determinado estudos para reduzir a alíquota.

Aparentemente as pessoas que dependem de clareza no ITBI para desenvolverem suas atividades cansaram dos estudos da prefeitura e querem respostas claras.

O ITBI é 3% do valor venal do imóvel (aquele usado como base para o IPTU) ou o declarado no contrato de compra e venda, mas o governo Fabrício resolveu adotar o valor de mercado, apurado pela própria prefeitura.

Um contribuinte mostrou ao Página 3 guias de ITBI que ele retirou na prefeitura: em junho do ano passado o tributo devido (com alíquota de 3%) era R$ 1.742.00; em outubro deste ano (com alíquota de 2%) pulou para 7.286,00 e para dezembro (com alíquota de 2.5%) foi para R$ 9.107,00.

Portanto, mesmo com descontos na alíquota decorrentes de uma campanha nos meses finais deste ano, o imposto multiplicou mais de três vezes.

Sinduscon

“Não concordamos com a metodologia adotada à revelia da lei, é sabido que até no mesmo prédio existem apartamentos com grande variação de preço” reclama o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil, Nelson Nitz.

Ele alega que o principal negócio da cidade é o ramo imobiliário e que os valores de tabela das construtoras não são reais porque dependendo da necessidade de caixa o vendedor pode baixar o preço de 30% a 50%.

“Isso todos sabem e é facilmente constatável através de um telefonema”, destaca Nitz.

O presidente do Sinduscon conta que todos os envolvidos na cadeia imobiliária estão reclamando porque com uma alíquota alta e base de cálculo em valor anunciado o comprador prefere não escriturar. Isso causa riscos aos compradores e construtores.

Secovi

Na mesma linha segue o pensamento de Sérgio Santos, presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação, Administração de Imóveis e dos Condomínios Residenciais e Comerciais de Santa Catarina. (Secovi) que faz críticas mais pesadas ainda e diz que o novo governo “está matando a galinha dos ovos de ouro”.

“A cidade é voltada para imóveis, sempre incentivamos como boa opção de investimentos, querer cobrar assim encarece o produto e torna quase inviável, eles não compram para morar e mais de 60% não usam serviços públicos como saúde e educação” destaca o presidente do Secovi.

Sérgio diz que o município tem que legislar para o povo e que não existe justificativa para mudar o fato gerador. “Só o que aumenta é o funcionalismo, cargos de confiança, essa mudança vai afetar o mercado, estamos há 50 anos dando certo e de repente vem um burocrata querer mudar tudo”, fulmina.

Acibc

A presidente da Associação dos Corretores de Imóveis de Balneário Camboriú (Acibc), Fabiane Schlindwein, explicou que o imposto duplicou e até triplicou porque pessoas sem experiência no mercado imobiliário da cidade estão fazendo avaliações através de portais de internet.

“Tem que ser o valor do contrato e não o da avaliação” diz a presidente da Acibc lembrando que esta é a forma prevista em lei.

Fabiane contou que foram feitas várias reuniões com o prefeito, sem solução, e advogados estão assessorando as diversas entidades que se sentem prejudicadas para buscar outros caminhos.

Ela não falou claramente, mas um desses caminhos em estudo provavelmente é os tribunais.


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade