Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Audiência pública hoje à noite esquentará o debate sobre nova loja da Havan

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Google.
A Havan quer se instalar nesse terreno.

Segunda, 9/4/2018 7:46.

A audiência pública desta segunda-feira (9) às 19h na Câmara de Vereadores deverá colocar em polos opostos os favoráveis e os contrários à instalação de uma nova loja da Havan na rua Aqueduto, em frente ao Balneário Shopping.

Embora os contrários, liderados pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), pretendam discutir a implantação ou não do empreendimento, a audiência não tem este propósito, deve se limitar ao exame das medidas mitigatórias.

As medidas mitigatórias representam aquelas que o empreendedor deve desenvolver para minimizar os impactos de vizinhança e nesse caso se resumem basicamente a trânsito.

Também haverá medidas compensatórias, pagas em dinheiro, cujo valor está em discussão na Câmara (será votado amanhã) e pode variar de 0,5% a 5% do valor da obra dependendo do que os vereadores decidam.

O empreendimento está dentro da lei e já foi aprovado pelo Conselho da Cidade. Na ocasião a representante da CDL foi voto vencido.

O argumento da CDL (que agora recebeu apoio de diversas entidades) é que a loja da Havan agravará problemas “viários, paisagísticos e de drenagem existentes naquela região”.

As entidades propõem que no local seja instalada a Praça do Cidadão, onde haveria uma nova sede para a prefeitura; um hotel, um edifício comercial, um shopping e uma loja da Havan. No local é proibido construir edifícios altos como está sendo proposto.

A Praça do Cidadão – que custaria meio bilhão de reais- foi reprovada pelo Conselho da Cidade em 2016 e tentar reeditá-la parece um argumento para impedir a loja da Havan.

Na verdade uma sede da prefeitura, edifício comercial, hotel e shopping causariam várias vezes mais impacto do que uma loja.

A resistência à Havan é normal, ocorreu em diversas cidades onde aquela rede comercial se instalou porque é uma empresa que pratica preços baixos o que desagrada a concorrência.

Há muitos anos a CDL não se posicionava contra um grande empreendimento comercial na cidade, a última vez foi 20 anos atrás quando tentou impedir, sem sucesso, a construção do Atlântico Shopping.

A nota pública distribuída por entidades segue reproduzida abaixo:

NOTA PÚBLICA

O FÓRUM PERMANENTE DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ, integrado pelas seguintes entidades: ACIBALC - Associação Empresarial de Balneário Camboriú e Camboriú, AMPE - Associação das Micro e Pequenas Empresas de Balneário Camboriú, CDL - Câmara de Dirigentes Lojistas de Balneário Camboriú, IDEIA – Instituto de Desenvolvimento e Integração Ambiental, OAB- Ordem dos Advogados do Brasil/Subseção de Balneário Camboriú; SINDICONT LITORAL – Sindicato dos Contabilistas de Balneário Camboriú e Região, SINDILOJAS – Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Balneário Camboriú e Camboriú, todas unidas no propósito de defesa dos interesses maiores da cidade e dos cidadãos de Balneário Camboriú, diante da iminência da realização de Audiência Pública a ser realizada no dia 09/04/2018, para discussão de projeto de instalação de uma Loja de Departamentos de grande porte na Rua Aqueduto, 100, sentem-se no dever de manifestar sua posição, representando seus milhares de associados:

1. As Entidades subscritoras são favoráveis e manifestam, como sempre o fizeram, seu inequívoco apoio a Projetos que tragam investimentos, empregos e estimulem o desenvolvimento da cidade nos mais variados setores, gerando valorização de ativos, renda e prosperidade para todos;

2. Acreditam que o crescimento da cidade não pode ser desordenado e a qualquer preço, feito de improvisos e obras pontuais, mas sim de cuidadoso planejamento a longo prazo, amplamente discutido com a participação da comunidade, que prepare nossa cidade para as futuras gerações de maneira sustentável e equilibrada, evitando que ações equivocadas sejam fonte de sofrimento no futuro e de prejuízos aos cofres públicos.

3. Nesse propósito, alertam que a eventual autorização para instalação de um novo empreendimento na Rua Aqueduto, 100, sem que antes sejam resolvidos de maneira definitiva e planejada os graves problemas viários, paisagísticos e de drenagem existentes naquela região estratégica, que já concentra elevado número de estabelecimentos públicos e privados de grande porte, pode trazer indesejáveis consequências que refletirão em toda a cidade, com o agravamento dos problemas já existentes, inviabilizando irremediavelmente sua solução.

4. As Entidades reafirmam seu apoio para a instalação, naquele local, principal ponto de entrada e saída da cidade, do Projeto que convencionou-se chamar de “Praça do Cidadão” e que traz, em sua concepção, uma gama de soluções para aquela região, contemplando concentração de serviços públicos municipais através do novo centro administrativo, áreas comerciais, de lazer e amplo estacionamento, acreditando que esta destinação é a que melhor atende o interesse público e que qualquer empreendimento que pretenda instalar-se no local, deva estar inserido nesse macro Projeto.

5. A sociedade civil organizada aqui representada está atenta e confia que a Administração Municipal e a Câmara de Vereadores, no uso de suas atribuições, ajam com responsabilidade e com pensamento nas futuras gerações, levando sempre em consideração, nas suas decisões, os interesses maiores da cidade e de seus cidadãos. Balneário Camboriú/SC, 05 de abril de 2018.

FÓRUM PERMANENTE DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Desenho da nova loja



 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade