Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Fotos mostram que governo Piriquito foi conivente com loteamento irregular
Arquivo Página 3.

Sexta, 16/2/2018 14:18.

Uma sequência de fotos de satélite registradas pelo Google Earth ao longo dos anos mostra que o governo Edson Piriquito foi relapso em relação ao loteamento clandestino Vila Fortaleza e com o desmatamento e ocupação irregular das áreas adjacentes.

Quando aquele governo começou, em 2009, já havia algumas casas no local, mas o ritmo da ocupação irregular se acelerou fortemente a partir de 2014.

Por ironia, um dos alertas que o secretário do Planejamento da época, Auri Pavoni, mais colocava nas discussões comunitárias era o risco de favelização da cidade, mas o governo que ele integrava caminhava em sentido contrário.

Quando assumiu em 2009, Edson Piriquito recebeu do seu antecessor Rubens Spernau um sistema relativamente eficiente de repressão a invasões, o Controle de Degradação Ambiental e Ocupação Irregular, antigo (CUIDA) que funcionava afinado com o Ministério Público.

Sob o novo governo esse setor não funcionou e ao entregar a cidade a Fabrício de Oliveira, Piriquito deixou como herança mais de 30 pontos de invasão, o mais grave deles a Vila Fortaleza.

Auri alertou ao longo daquele governo que a favelização poderia levar à decadência de Balneário Camboriú como ocorreu com cidades turísticas que ele visitou no Rio de Janeiro e São Paulo.

A região de Angra dos Reis, uma das mais bonitas do litoral brasileiro, com enormes problemas sociais, é um exemplo de como a favelização pode ser nociva.

Angra tem, pela última medição, Índice de Desenvolvimento Humano de 0,742 contra 0,845 de Balneário Camboriú. Ocupa a posição 1.191 entre os municípios brasileiros, contra a 4ª colocação de Balneário.

Estudioso de indicadores urbanos e sociais, Auri desenvolveu um termômetro próprio para medir carências, a quantidade de alunos matriculados em escolas públicas.

Por essa ótica, os municípios de Navegantes, Camboriú e Itajaí estão crescendo a demanda por ensino público enquanto Balneário Camboriú reduziu.

O atual secretário do Planejamento, Edson Kratz, desenvolveu um projeto para transformar as morrarias em parques de reserva natural, abertos ao público e explorados pela iniciativa privada.

A ideia é louvável, mas só funcionará se houver vontade política do prefeito atual e seus sucessores em reprimir com firmeza os loteamentos clandestinos e a favelização.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

20 são em uma lojas de fast food Burguer King  


Justiça

Acusado diz que falará primeiro com seu advogado antes de se manifestar. Ele foi penalizado com advertência.


Cidade

Esta é uma das últimas etapas para obtenção da Bandeira Azul


Cidade

Lei municipal que favorecia os consumidores foi derrubada pelo Supremo 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Fotos mostram que governo Piriquito foi conivente com loteamento irregular

Arquivo Página 3.

Uma sequência de fotos de satélite registradas pelo Google Earth ao longo dos anos mostra que o governo Edson Piriquito foi relapso em relação ao loteamento clandestino Vila Fortaleza e com o desmatamento e ocupação irregular das áreas adjacentes.

Quando aquele governo começou, em 2009, já havia algumas casas no local, mas o ritmo da ocupação irregular se acelerou fortemente a partir de 2014.

Por ironia, um dos alertas que o secretário do Planejamento da época, Auri Pavoni, mais colocava nas discussões comunitárias era o risco de favelização da cidade, mas o governo que ele integrava caminhava em sentido contrário.

Quando assumiu em 2009, Edson Piriquito recebeu do seu antecessor Rubens Spernau um sistema relativamente eficiente de repressão a invasões, o Controle de Degradação Ambiental e Ocupação Irregular, antigo (CUIDA) que funcionava afinado com o Ministério Público.

Sob o novo governo esse setor não funcionou e ao entregar a cidade a Fabrício de Oliveira, Piriquito deixou como herança mais de 30 pontos de invasão, o mais grave deles a Vila Fortaleza.

Auri alertou ao longo daquele governo que a favelização poderia levar à decadência de Balneário Camboriú como ocorreu com cidades turísticas que ele visitou no Rio de Janeiro e São Paulo.

A região de Angra dos Reis, uma das mais bonitas do litoral brasileiro, com enormes problemas sociais, é um exemplo de como a favelização pode ser nociva.

Angra tem, pela última medição, Índice de Desenvolvimento Humano de 0,742 contra 0,845 de Balneário Camboriú. Ocupa a posição 1.191 entre os municípios brasileiros, contra a 4ª colocação de Balneário.

Estudioso de indicadores urbanos e sociais, Auri desenvolveu um termômetro próprio para medir carências, a quantidade de alunos matriculados em escolas públicas.

Por essa ótica, os municípios de Navegantes, Camboriú e Itajaí estão crescendo a demanda por ensino público enquanto Balneário Camboriú reduziu.

O atual secretário do Planejamento, Edson Kratz, desenvolveu um projeto para transformar as morrarias em parques de reserva natural, abertos ao público e explorados pela iniciativa privada.

A ideia é louvável, mas só funcionará se houver vontade política do prefeito atual e seus sucessores em reprimir com firmeza os loteamentos clandestinos e a favelização.

 

Publicidade

Publicidade