Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Empresa contratada passa a realizar serviços no Cemitério da Barra

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação PMBC

Terça, 20/2/2018 16:35.

A Funerária São Cristóvão, empresa contratada para fazer a manutenção do Cemitério de Balneário Camboriú está atuando desde a semana passada, com apoio de dois funcionários do município. Na quinta-feira (22), será feita a primeira retirada de restos mortais pela empresa, ainda com supervisão do município, e depois disso os trabalhos ficam nas mãos dos funcionários terceirizados.

A empresa tem experiência em manutenção de cemitérios em outras cidades. Aqui firmou um contrato com a prefeitura no valor de R$ 115 mil por um ano de limpeza e serviços de sepultamento e exumação.

Na semana passada a contratada deu início a mutirões de limpeza. Serão quatro funcionários se revezando no local.

Será um alívio para a administração municipal, que estava sem coveiro e tinha que designar funcionários de outros setores para realizar os serviços. A coordenação do cemitério continua sob responsabilidade da prefeitura.

De acordo com a diretora do Patrimônio, Claudineia da Costa Wolff, em 2017 o cemitério teve uma média de 20 sepultamentos por mês, mas houve meses em que o número chegou a 30.

Essa demanda somada à superlotação do cemitério levou a atual administração a realizar uma revisão dos cadastros e notificar devedores e responsáveis por túmulos abandonados.

Do começo do ano passado até agora foram feitos 46 processos de exumação, sendo que desses, 30 restos mortais foram encaminhados para o ossuário que tem capacidade para 80 ossadas. Os proprietários dos sepulcros estão sendo notificados pela prefeitura para se regularizar.

O município espera aprovar o projeto de lei que regulamenta o cemitério, e que está na pauta desta quarta-feira (21), para conseguir tirar do papel um minicemitério, previsto para a área que ainda resta no local.

Esse minicemitério contaria com 740 lóculos e amenizaria o problema da falta de espaços por mais alguns anos, até que o município construíssem um grande cemitério vertical.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade