Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Fabricio recebeu o projeto do engordamento da praia central
Sectur

Terça, 27/2/2018 7:12.

O prefeito Fabrício Oliveira recebeu ontem (26) do Instituto +BC o estudo de engordamento da faixa de areia da praia central.

O Instituto +BC reúne empresários da cidade que custearam esse e outros estudos para o planejamento de longo prazo em Balneário Camboriú.

Alguns desses empresários nem possuem negócios em Balneário Camboriú, moram aqui e querem uma cidade melhor para viverem.

Aparentemente esta fase do estudo contempla apenas o engordamento da praia, as soluções de engenharia para a transposição da jazida de areia localizada no mar para a linha costeira.

O projeto de urbanização após a praia alargada ainda é desconhecido.

O engordamento é visto como um passo decisivo para a redenção de Balneário Camboriú como destino turístico devido à pequena faixa de areia disponível.

Também é, aparentemente, a única forma de proteger o patrimônio público e privado da força do mar em algumas ocasiões devido à perda contínua dos sedimentos (areia) que protege a linha costeira.

No entanto, alguns setores da comunidade criticam, gostariam de ver o dinheiro aplicado na área social, talvez sem perceber que se perdermos competitividade no turismo todo o restante será seriamente afetado.

Faltam as licenças

O alargamento da praia é o principal projeto da atual administração e avaliado nos gabinetes da rua Dinamarca como aquele que pode recuperar a imagem de um governo desgastado por não conseguir fazer o cotidiano como pintar postos de saúde ou trocar vidraças das salas de aula.

No entanto, para se concretizar são necessárias as licenças ambientais e a engenharia financeira, de onde sairá o dinheiro para a obra.

A Licença Ambiental Prévia (LAP), a viabilidade de obra, emitida pela Fatma, era aguardada para fevereiro, antes do governador Raimundo Colombo deixar o cargo, mas isso não ocorreu.

Há receio em alguns círculos que setores do novo governo, o de Eduardo Pinho Moreira, dificultem a obtenção da LAP por interesses políticos, visando não permitir que o atual prefeito se destaque no cenário estadual.

Após a obtenção da LAP vem a Licença Ambiental de Instalação (LAI) aquele que permite a execução da obra.

Ela só é emitida se as condicionantes impostas na LAP, o detalhamento de engenharia e outros aspectos solicitados forem respondidos a contento.

Entre a LAP e a LAI podem transcorrer poucos meses ou anos, depende do trabalho da prefeitura e da boa vontade do Governo do Estado.

Obtida a LAI a obra pode ser iniciada e como o engordamento é rápido, em poucas semanas a praia central mudaria completamente.

E falta o dinheiro

A prefeitura não tem os cerca de R$ 70 milhões necessários para executar o engordamento e, pelo que apurou a reportagem, algumas soluções foram pensadas e certamente gerarão reações de apoio ou crítica.

Uma delas é cobrar Contribuição de Melhoria, previsto em lei como contrapartida pela valorização dos imóveis em decorrência de melhoramentos promovidos pelo poder público.

A valorização imobiliária com a praia alargada parece evidente e para quem já paga IPTU elevado, uma centena a mais de reais por mês não faria grande diferença.

A Contribuição de Melhoria é feita através de cálculos técnicos previstos na legislação e pelo que foi apurado até o momento não houve providência nesse sentido.

Com a praia alargada a outra hipótese para arrecadar seria algum tipo de edificação nas extremidades, mas a que parece mais viável economicamente, erguer um ou dois prédios, seguramente enfrentará forte resistência da comunidade e dos órgãos ambientais.

A terceira opção ventilada é financiamento já que o município possui boa capacidade de endividamento.

Sem imprensa

A imprensa não foi convidada, uma atitude estranha do prefeito em se tratando de um projeto que segundo ele próprio é “fundamental” para a cidade.

Sendo fundamental o processo deveria ser público e transparente, o que não ocorreu.

Fotos, por Ivan Rupp:

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

20 são em uma lojas de fast food Burguer King  


Justiça

Acusado diz que falará primeiro com seu advogado antes de se manifestar. Ele foi penalizado com advertência.


Cidade

Esta é uma das últimas etapas para obtenção da Bandeira Azul


Cidade

Lei municipal que favorecia os consumidores foi derrubada pelo Supremo 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Fabricio recebeu o projeto do engordamento da praia central

Sectur

O prefeito Fabrício Oliveira recebeu ontem (26) do Instituto +BC o estudo de engordamento da faixa de areia da praia central.

O Instituto +BC reúne empresários da cidade que custearam esse e outros estudos para o planejamento de longo prazo em Balneário Camboriú.

Alguns desses empresários nem possuem negócios em Balneário Camboriú, moram aqui e querem uma cidade melhor para viverem.

Aparentemente esta fase do estudo contempla apenas o engordamento da praia, as soluções de engenharia para a transposição da jazida de areia localizada no mar para a linha costeira.

O projeto de urbanização após a praia alargada ainda é desconhecido.

O engordamento é visto como um passo decisivo para a redenção de Balneário Camboriú como destino turístico devido à pequena faixa de areia disponível.

Também é, aparentemente, a única forma de proteger o patrimônio público e privado da força do mar em algumas ocasiões devido à perda contínua dos sedimentos (areia) que protege a linha costeira.

No entanto, alguns setores da comunidade criticam, gostariam de ver o dinheiro aplicado na área social, talvez sem perceber que se perdermos competitividade no turismo todo o restante será seriamente afetado.

Faltam as licenças

O alargamento da praia é o principal projeto da atual administração e avaliado nos gabinetes da rua Dinamarca como aquele que pode recuperar a imagem de um governo desgastado por não conseguir fazer o cotidiano como pintar postos de saúde ou trocar vidraças das salas de aula.

No entanto, para se concretizar são necessárias as licenças ambientais e a engenharia financeira, de onde sairá o dinheiro para a obra.

A Licença Ambiental Prévia (LAP), a viabilidade de obra, emitida pela Fatma, era aguardada para fevereiro, antes do governador Raimundo Colombo deixar o cargo, mas isso não ocorreu.

Há receio em alguns círculos que setores do novo governo, o de Eduardo Pinho Moreira, dificultem a obtenção da LAP por interesses políticos, visando não permitir que o atual prefeito se destaque no cenário estadual.

Após a obtenção da LAP vem a Licença Ambiental de Instalação (LAI) aquele que permite a execução da obra.

Ela só é emitida se as condicionantes impostas na LAP, o detalhamento de engenharia e outros aspectos solicitados forem respondidos a contento.

Entre a LAP e a LAI podem transcorrer poucos meses ou anos, depende do trabalho da prefeitura e da boa vontade do Governo do Estado.

Obtida a LAI a obra pode ser iniciada e como o engordamento é rápido, em poucas semanas a praia central mudaria completamente.

E falta o dinheiro

A prefeitura não tem os cerca de R$ 70 milhões necessários para executar o engordamento e, pelo que apurou a reportagem, algumas soluções foram pensadas e certamente gerarão reações de apoio ou crítica.

Uma delas é cobrar Contribuição de Melhoria, previsto em lei como contrapartida pela valorização dos imóveis em decorrência de melhoramentos promovidos pelo poder público.

A valorização imobiliária com a praia alargada parece evidente e para quem já paga IPTU elevado, uma centena a mais de reais por mês não faria grande diferença.

A Contribuição de Melhoria é feita através de cálculos técnicos previstos na legislação e pelo que foi apurado até o momento não houve providência nesse sentido.

Com a praia alargada a outra hipótese para arrecadar seria algum tipo de edificação nas extremidades, mas a que parece mais viável economicamente, erguer um ou dois prédios, seguramente enfrentará forte resistência da comunidade e dos órgãos ambientais.

A terceira opção ventilada é financiamento já que o município possui boa capacidade de endividamento.

Sem imprensa

A imprensa não foi convidada, uma atitude estranha do prefeito em se tratando de um projeto que segundo ele próprio é “fundamental” para a cidade.

Sendo fundamental o processo deveria ser público e transparente, o que não ocorreu.

Fotos, por Ivan Rupp:

Publicidade

Publicidade