Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Sindicato dos servidores municipais tentará promover greve geral

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Vídeo no Facebook.
Valdir Lolli, em busca de greve.

Sexta, 15/6/2018 9:24.

Reunidos em assembleia ontem à noite, servidores municipais deliberaram deflagrar greve no dia 2 de julho.

O sucesso da greve não está assegurado, dependerá da adesão da maioria dos servidores que não compareceram à assembleia.

Durante o dia de hoje será montada uma comissão de greve, composta por um representante da cada secretaria.

Nos bastidores da assembleia de ontem surgiram focos de descontentamento, pessoas desconfiando que estão sendo usadas como massa de manobra para os interesses da direção do sindicato.

Talvez porque o presidente, Valdir Lolli, usou o sindicato para reivindicar que seu salário não sofresse corte como pode ser lido neste link.

Ontem, em seu espaço no Facebook, a direção do sindicato postou um ataque direto ao prefeito Fabrício Oliveira, com o seguinte teor:

COM REMUNERAÇÃO MAIOR QUE O PREFEITO DE SÃO PAULO, FABRICIO RECEBE R$ 25 MIL E NÃO GOSTA DE SER COBRADO

O prefeito Fabricio Oliveira, segundo os dados atuais do Portal da Transparência de Balneário Camboriú, recebe remuneração mensal de R$ 25 mil.

Esse valor é maior que a remuneração do prefeito de São Paulo, maior capital do país, que tem 12 milhões de habitantes e um orçamento de R$ 56,3 bilhões de reais, ou seja, o prefeito de São Paulo administra um conjunto de recursos 6276% maior que Fabricio Oliveira.

Apesar disso, Fabricio não gostou da cobrança dos servidores municipais, que desejam serem ouvidos em suas demandas.

O prefeito fechou as portas para a negociação, não recebe os servidores, diz que a folha de pagamento está inchada, e não quer saber do diálogo com a categoria. O Governo Fabricio Oliveira tentar passar para a sociedade que o funcionalismo recebe salários altos e tem muitos privilégios, sem demonstrar a importância do servidor público para nossa cidade.

É público e notório que o Governo Fabricio Oliveira tem fixação pela remuneração do presidente do sindicato, inclusive enviou representante para cortar parte de sua remuneração durante a assembleia geral da categoria.

Com essa fixação em salário, chegou a hora de debater inclusive a remuneração do prefeito. Vale lembrar que o Governo Fabricio Oliveira tem 1 Cargo em Comissão para cada 428 habitantes e 77% desses cargos não são de servidores de carreira. Parece que o Observatório Social não se atentou nessa questão ainda!

FOCO NO VALE

A principal reivindicação do sindicato é mudança no vale-alimentação que se ocorrer custará ao cofre do município entre R$ 13,5 e R$ 23,5 milhões por ano.

Hoje o vale é R$ 335,46, o mais alto entre as principais categorias profissionais atuantes na cidade, mas o sindicato quer aumento desse valor e que o benefício seja estendido à totalidade do funcionalismo, incluindo aqueles que ganham salários mais elevados.

Os três cenários montados são os seguintes:

SINDICATO EM DIFICULDADES

A representação do sindicato dos servidores municipais nunca foi forte, a maior parte do funcionalismo não é associada.

Semanas atrás, quando os servidores tiveram que manifestar por escrito se concordavam em pagar a Contribuição Sindical, que deixou de ser obrigatória, apenas uma pessoa compareceu ao departamento de pessoal para manifestar sua concordância.

Dessa forma o sindicato perdeu grande parte da sua receita e terá que sobreviver da Contribuição Assistencial, uma mensalidade que o servidor paga se quiser.

A reportagem não encontrou nas páginas do sindicato na internet demonstrativos de receitas e despesas do sindicato, de forma que não foi possível apurar a sua real saúde financeira.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade