Jornal Página 3

Artistas independentes resistem em Balneário Camboriú

Segunda, 25/12/2017 10:29.

Muito mais do que apenas sonhar, representantes da economia criativa investem em seus trabalhos autorais. Mesmo com um público que absorve lentamente o que é novo em Balneário Camboriú, eles buscam formas independentes de custear produções próprias, carregadas de identidade, suas marcas no mundo.

“Faço música para a alma”

Fotos Divulgação

O músico Rafael Salvador tem 31 anos, nascido em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, já morou no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro antes de chegar, há 15 anos, a Balneário Camboriú, lugar que ele considera sua terra. Salvador está em processo de gravação do seu segundo álbum, ainda sem nome, custeado 100% com recursos próprios.

Formado em música pela Univali e hoje aluno do Conservatório de Itajaí, Rafael Salvador dedica seu amor à música popular brasileira, passeando por ritmos como o samba e a bossa nova.

Como é servidor da Fundação Cultural, ele não pode concorrer a verbas do município para incentivo à cultura. Isso não foi um impeditivo para dar início ao novo projeto. Foi ao banco e solicitou um empréstimo e afirma que o projeto segue aberto para empresas que tiverem interessem em investir em arte.

O álbum está sendo gravado em São Paulo, com o produtor Raul Misturada. Segundo Rafael, a escolha aconteceu por uma questão de networking. Em dezembro o músico passará 10 dias em São Paulo para gravação dos vocais e em janeiro o álbum deve ser finalizado. 

Serão prensadas mil cópias, discos que Rafael Salvador pretende vender e apresentar para quem abre espaço para a música autoral. O custo inicial é de R$ 12 mil e o final ainda é incerto, porque a medida que vai tendo possibilidade de incrementar o material, ele investe, com apoio da família toda envolvida na arte, a companheira Michele Chaves, que é bailarina e dos filhos Arthur e Antônia.

Desafios - recompensas

Rafael Salvador reconhece as barreiras que a música independente enfrenta, entretanto afirma com convicção que “fazer sucesso” não é a sua maior preocupação. 

Para ele, que foi incentivado desde os 10 anos pela mãe que adorava música, fazer sucesso é construir um legado. Aparecer na grande mídia e ser tocado na rádio são outros 500, que envolvem pagar para estar lá e esse é um passo que ele ainda não pode pisar.

O músico renega as facilidades artificiais (e pagas) pra bombar e adota uma forma orgânica de deixar a sua marca, recorrendo aos nichos que ainda reservam espaço para a cultura.

Mesmo com o espaço limitado para a música autoral em Santa Catarina, tanto rádios como palcos, ele vai levando aos poucos suas produções, intercalando nas apresentações que faz pela região entre um Chico e um Jorge Ben.

“Quando eu penso em autoral eu penso em investimento, é o que eu vou deixar quando passar por aqui. Quero ter esse material pra quando acabar isso...não só como músico tocando em barzinho ou hotel, isso aí me dá o sustento pra eu colocar no autoral”, comenta.

Foi assim, entre um trabalho e outro com o violão a tiracolo e com a venda de cotas, que Salvador gravou Brasilim, o primeiro álbum da carreira. Desta vez foi mais ousado e tomou para si o investimento.

Com o material em mãos, planeja para o próximo semestre um show de lançamento e vai lançar um financiamento coletivo para custear mais uma pegada, um DVD no Teatro Municipal.

“Eu vou compondo, a qualquer momento eu posso marcar um gol...eu vou jogando as minhas iscas no mar, de repente alguém pega, regrava ou gosta, aquilo viraliza...com a internet eu tenho a possibilidade de jogar para o mundo”, sonha, com os pés fincados em sua terra.

Para saber mais: facebook.com/rafaelmpb

 

Nada vai me fazer parar

A cantora e compositora Priscila Ogg, 25 anos, é determinada como toda boa leonina. Fã de Luiza Possi ela gravou o EP “Pelo Sentido de Tocar”, como produtor Ivan Teixeira, em São Paulo, que já trabalhou com Luiza, Zizi Possi e Bruna Caran.

O EP terá cinco músicas que serão lançadas de forma digital e física. Em paralelo, Priscila organiza o show de lançamento, marcado para 8 de dezembro no Teatro Municipal. 

Entre gravações, vídeos e o show, ela vai desembolsar em torno de R$ 15 mil.

“Não tenho nenhum tipo de patrocínio e apoio. Os recursos são “suavemente” próprios. Em outras oportunidades já tentei incentivo do município/Estado/Governo sem sucesso. E dessa vez, preferi não esperar a incerteza de mais um edital. Foi a melhor coisa que fiz”, exclama.

O show “Pelo Sentido de Tocar” vai reunir 14 músicas autorais. Depois de lançado aqui, ela pretende levar o trabalho adiante, inclusive para os solos paulistanos da oportunidade. “Sinto essa sede por crescimento gritar em mim, NADA vai me fazer parar”, finaliza.

Para saber mais: facebook.com/priscila.ogg

 

É quase como um filho

O poeta Ernesto Wenth Filho também levanta a bandeira das produções independentes e acaba de receber os exemplares de seu quarto livro, Sólido.

Ele realizou uma campanha de financiamento coletivo pelo site Catarse e conseguiu apoio para custear metade dos mais de R$ 4 mil que custaram os 500 exemplares. A outra metade do investimento saiu de seu próprio bolso.

“É quase como um filho”, pontua o poeta. Aos poucos ele pretende ir levando Sólido para o mundo, vendendo os exemplares em eventos e em livrarias da cidade. 

“Vou levando em bares onde estou sempre com as bandas, coloco o banner e vou vendendo. É um trabalho de formiguinha, mas é um prazer porque são seus pensamentos que vão estar nas mãos das pessoas. Se paga a conta do livro e o resto vai tomando forma”, complementa.

Sólido alterna poemas e reflexões. O título faz referência a três significados em uma só palavra, o sólido do concreto, da solidificação como escritor, o só lido de lidar sozinho com todas as questões que o afligem e o só lido de já ter sido lido. “Uma alusão ao tempo que, sendo relativo, demonstra que tudo que será escrito também já foi lido antecipadamente”.

Acompanhe em facebook.com/ernesto.wenthfilho


 

 


Publicidade


Cidade

Programa não está claro e há hesitações políticas  


Política

“Reunião extraordinária não é para discutir cemitério e roda gigante”, disse vereador


Cidade

Desde 2012 governadores de plantão estão prometendo a obra


Policia

Combater pertubação do sossego é a segunda principal ocorrência para a PM    


Equilíbrio

Secretária vai palestrar no dia 23


Geral

Ele foi levado pela correnteza na semana passada


Policia

Bandidos invadiram loja de roupas na Terceira Avenida 


Variedades

Na telona grandes artistas da música brasileira


Opinião

Artigo de opinião


Cultura

Dica de passeio cultural de verão


Cidade

O serviço não tem ônus adicional, é programado e deve ser agendado por telefone