Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Filme revê Estado Novo em imagens raras

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.
Getúlio e o escultor.

Quinta, 15/3/2018 7:59.

(NAIEF HADDAD - FOLHAPRESS) - Getúlio Vargas escreveu no seu diário que se incomodava em posar para escultores.
No entanto, conforme mostram imagens de julho de 1941, como essa à direita, ele parecia bem à vontade ao lado do americano Jo Davidson, que moldou o busto do ditador do Estado Novo.

Apesar da postura rígida, necessária para o trabalho do escultor, Getúlio sorria ao observar suas feições na pedra.

Esses registros estão nos minutos iniciais de "Imagens do Estado Novo - 1937 a 1945", dirigido por Eduardo Escorel. Premiado no festival É Tudo Verdade de 2016, o documentário estreia nesta quinta (15) em São Paulo, Rio e Brasília.

O novo filme é o quarto capítulo de uma série iniciada em 1990, quando a extinta TV Manchete exibiu "1930 - Tempo da Revolução", sobre a ascensão de Getúlio após a deposição de Washington Luís.

Nos anos seguintes, Escorel dirigiu "32 - A Guerra Civil" (1993), sobre a revolução constitucionalista, e "35 - O Assalto ao Poder" (2002), a respeito do levante comunista comandado por Luís Carlos Prestes.

Esses três filmes iniciais expuseram conflitos entre grupos políticos que resultaram em vitórias de Getúlio. Não era o bastante, contudo, para o gaúcho de São Borja.

Em novembro de 1937, ele comandou um golpe de Estado e exerceu o poder como lhe convinha, dissolvendo o Congresso e os partidos.

O presidente deu lugar ao ditador no período que ficou conhecido como Estado Novo e se estendeu até 1945, quando Getúlio renunciou.

É a essa fase que Escorel se dedica neste novo filme, produzido por Cláudio Kahns, assim como os anteriores.

Das quatro produções, "Imagens do Estado Novo" é, sob vários aspectos, a mais ambiciosa, a começar pela duração. São quase quatro horas de filme, a serem exibidas nos cinemas com um intervalo de 15 minutos.

Escorel montou uma alternativa com menos de duas horas, mas não se satisfez com o resultado. "Virou um documentário de arquivo mais tradicional", disse.

A versão reduzida excluía imagens e textos da época sem ligação direta com os rumos do Estado Novo, como as cartas enviadas pela população a Getúlio e as cenas de festas no Cassino da Urca.

Para o diretor, registros como esses "são tão ou mais importantes que os fatos em si".

A pesquisa das imagens, aliás, conduz a outro aspecto que ressalta a vocação do filme para os superlativos.

A preparação se estendeu por 12 anos, boa parte deles voltados à busca de cinejornais e fotos em cerca de 40 arquivos, espalhados por Brasil, EUA e Alemanha.

Há imagens inéditas, como a celebração ao nazismo em Blumenau (SC), com participação de alemães. Foram encontradas pelo pesquisador Antonio Venâncio em Berlim.

Também são muitas raras as passagens com um homem-chave da era Vargas, o ministro das Relações Exteriores, Osvaldo Aranha.

O documentário não se restringe às figuras notáveis da política e às obras de vulto –o Estado Novo impulsionou a indústria de base no Brasil.

Reproduz também imagens de nomes de prestígio da cultura que estavam, de algum modo, ligados ao regime, como Carlos Drummond de Andrade e Grande Otelo.

Em uma cerimônia com Getúlio 17 dias depois do golpe, Villa-Lobos aparece regendo um coro de jovens. Nessa ocasião, bandeiras estaduais, como a de São Paulo, foram solenemente queimadas.

Houve, por outro lado, expoentes das artes presos pela oposição ao regime, como Monteiro Lobato e Jorge Amado. Os comunistas eram alvo da polícia do Estado Novo, e muitos sofreram tortura.

IMAGENS EM QUESTÃO

Logo no início, o narrador em off, o próprio Escorel, questiona: "É possível fazer um documentário sobre o Estado Novo usando os mesmos filmes produzidos para fazer propaganda do regime?".

Sob a influência de expoentes da história do documentário, como o francês Chris Marker e o tcheco Harun Farocki, o filme comenta as próprias imagens, confrontando-as com outras fontes.

Esse caminho também reflete o diálogo com o diretor e jornalista João Moreira Salles, de quem Escorel foi montador em filmes como "No Intenso Agora" (2017).

Ainda neste ano, "Imagens do Estado Novo" será exibido, em episódios, na TV Cultura e no Canal Curta. 

Obra questiona, de modo brilhante, origem e propósitos do material produzido à época

(SÉRGIO RIZZO) - Não se pode considerar normal que um filme demore quase dois anos para chegar ao circuito. É o caso de "Imagens do Estado Novo 1937-45", que recebeu menção honrosa do júri no É Tudo Verdade de 2016.

São dois os grandes problemas: que um filme dessa qualidade não encontre janela de exibição, o que diz muito sobre o mercado de cinema; e que um país tão necessitado de conhecer a própria história deixe escapar um exercício de tamanho fôlego sobre um período-chave no Brasil do século 20.

O diretor, roteirista e montador Eduardo Escorel já havia se debruçado sobre a Era Vargas em "1930 - Tempo de Revolução" (1990) e "35 - O Assalto ao Poder" (2002), que reúnem material de arquivo organizado a partir do entendimento de que esses documentos visuais e sonoros "não falam por si".

Escorel lembra que a tarefa principal é "decifrá-los". "Imagens não permitem acesso direto a acontecimentos do passado que representam."

"É preciso investigar suas origens e o propósito com que foram realizados para saber do que tratam", afirma.

Com seus 227 minutos, "Imagens do Estado Novo 1937-45" representa uma brilhante defesa dessa tese e um trabalho exemplar para todo pesquisador disposto a ir além da busca de material (já em si, no país, empreitada respeitável) para iluminar seu significado.

O manancial de informações traz, evidentemente, muito do próprio Getúlio Vargas (1882-1954). Lá está ele, por exemplo, em um momento simbólico peculiar, ao posar para o escultor americano Jo Davidson (1883-1952).

Mostre-nos um homem em flagrante de vaidade explícita, e seremos capazes de avançar um pouco na compreensão de quem foi (ou é). Escorel não se restringe, contudo, a somente explorar material que se relacione diretamente à figura de Vargas (como trechos de seu diário).

Episódios importantes do período são explorados com riqueza de imagens e detalhes, como a campanha presidencial do governador paulista Armando de Sales Oliveira.

Só em 1937, por exemplo, houve a "Macedada" -a libertação pelo então ministro da Justiça, José Macedo Soares, de 300 presos políticos do levante comunista de 1935- e o Massacre do Caldeirão, em Pau da Colher (BA), onde 700 seguidores do beato José Lourenço foram mortos pela polícia e pelo Exército.
E tem mais, muito mais.

IMAGENS DO ESTADO NOVO 1937-45

DIREÇÃO Eduardo Escorel
PRODUÇÃO Brasil, 2016; 10 anos
QUANDO estreia nesta quinta (15)
AVALIAÇÃO muito bom


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Saúde

Objetivo é investir em prevenção e desafogar o Posto Central


Empregos

Salários chegam a R$ 22 mil


Geral

Elcio Rogério Kuhnen prestou contas da sua administração


Cidade

Jornal Página 3 prepara material especial para a data


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade