Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

CINE CRÍTICA - 'Maria Madalena' parece novela e deve interessar apenas a católicos

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.

Quinta, 15/3/2018 8:32.

THALES DE MENEZES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Fotografia linda, produção caprichada, atores muito bons. Mas, na essência, "Maria Madalena" fica distante da qualidade do filme anterior do diretor Garth Davis, o indicado ao Oscar "Lion". Apesar do investimento pesado, o longa parece uma novela da Record.

A versão apresentada da vida de Maria Madalena é a mais favorável possível à personagem bíblica. A condição de prostituta, imposta a ela por séculos, foi abandonada recentemente pela Igreja Católica, que hoje destaca a única mulher que andou entre os apóstolos de Jesus como uma de suas mais dedicadas seguidoras.

No filme, Maria Madalena assume protagonismo entre os apóstolos. Ela aceita a palavra do Messias intensamente e acaba tendo papel importante no contato com as pessoas que o grupo tenta arrebanhar. E sua relação com Jesus é reforçada por uma atenção especial dedicada a ela.

O roteiro não chega nem perto das considerações levantadas por estudiosos sobre um possível romance entre os dois. Embora mantenha Madalena pura, o filme usa e abusa de olhares enternecidos e levemente desejosos entre ela e Jesus.

Aí entra o ponto alto da produção. Rooney Mara e Joaquin Phoenix são atores intensos e estão ótimos como os personagens principais.

Vale destacar também o inglês Chiwetel Ejiofor, de "12 Anos de Escravidão" (2013), como o apóstolo Pedro, e o francês Tahar Rahim, revelado em "O Profeta" (2009), no papel de Judas Iscariotes.

A beleza gélida de Rooney Mara é, às vezes, um elemento que valoriza cenas um tanto arrastadas. O diretor é daqueles que apostam em longos enquadramentos fechados nos rostos para transmitir emoções. Como tantos outros, exagera nisso.

Se a atriz consegue ótimo desempenho como Maria Madalena, não é demasiado dizer que o filme nem existiria sem a força de Joaquin Phoenix. Porque o roteiro patina muito, repete à exaustão as pregações de Jesus entre as comunidades, em busca da conversão de novos seguidores.

Com outro ator interpretando o Messias, a oratória poderia cair numa repetição que derrubaria de vez o filme. Mas Phoenix exibe um arsenal de sutilezas, no olhar e no ritmo da pregação, que mesmeriza os ouvintes e também os espectadores no cinema.

Se "Maria Madalena" tivesse em todos os quesitos a força do par central, o resultado seria muito bom. Porém, uma direção comportada demais e uma narrativa linear sem surpresas, sem encantamento e sem um clímax põem por terra qualquer ambição de um cinema mais ousado.

No resultado final, o filme deve interessar apenas a pessoas católicas, com receptividade à palavra de Jesus. Bem antes da metade da sessão, "Maria Madalena" desiste de ser filme para ser apenas pregação.

MARIA MADALENA (MARY MAGDALENE)
Quando: estreia nesta quinta (15)
Classificação: 12 anos
Elenco: Rooney Mara, Joaquin Phoenix e Chiwetel Ejiofor
Produção: Reino Unido, 2018. 120 min
Direção: Garth Davis
Avaliação: regular. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Negócios

Projeto bateu o próprio recorde de adesões e ações


Esportes

Os campeões colocaram a CPH Brasil e Balneário no topo do pódio    


Política

Segurança e mobilidade estiveram entre as principais preocupações


Cidade

Conselho da Cidade e Câmara de Vereadores não votam mais em casos desse tipo 


Publicidade


Esportes

O título é inédito para Balneário Camboriú    


Esportes

A equipe treinada por Gerson Cabral quer o bi  


Variedades

Inscrições abertas


Cultura

Serão distribuídos R$ 8,4 milhões aos vencedores. 


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade