Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

CINECRÍTICA - 'Château - Paris' revela cotidiano de bairro multicultural da capital francesa

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.

Quinta, 22/3/2018 11:09.

ALEXANDRE AGABITI FERNANDEZ
(FOLHAPRESS) - O cinema francês contemporâneo costuma se interessar sobretudo pela vida das classes médias e altas e pela turbulenta realidade da periferia das grandes cidades. Ao abordar o cotidiano dos salões de beleza africanos do décimo distrito de Paris, o primeiro longa-metragem de Modi Barry e Cédric Ido, 'Château - Paris', lança um olhar bem-humorado e cheio de simpatia sobre esse bairro multicultural que também tem indianos, chineses, italianos. Longe dos clichês sobre a capital francesa.

Grupos de imigrantes africanos, formados exclusivamente por homens muitas vezes em situação irregular, abordam a clientela feminina que sai da estação de metrô Château d'Eau -daí o título do filme- oferecendo os serviços dos salões. A batalha pelas clientes é acirrada, prato cheio para intrigas, discussões, ciúmes e alvoroços.

O chefe de um dos grupos é o carismático Charles (Jacky Ido), que procura cativar as potenciais clientes com uma conversa gentil e pausada.

Seus rivais não primam pela sutileza: posam de espertalhões e preferem tagarelar ruidosamente, soltando galanteios de vez em quando. Charles se destaca também pela indumentária, pois está sempre muito bem vestido -gosta de se apresentar dizendo "Charles, como o príncipe"-, enquanto os outros andam de bermudas ou agasalhos esportivos.

Essa pitoresca galeria de tipos bem caracterizados em que cada um tem um sonho se completa com as cabeleireiras, os donos e donas dos estabelecimentos, a charmosa Sonia (Tatiana Rojo) -que quer introduzir novos produtos nos salões-, e o barbeiro curdo Mawad (Zirek Ahmet) -que faz poemas para suportar o exílio-, cuja barbearia Charles gostaria de comprar.

Despretensiosa e sem grandes tensões, a trama se ramifica em várias histórias paralelas que o roteiro não se preocupa em amarrar ou desenvolver. Essa limitação não dá profundidade ao relato, mas ajuda a instalar um tom de crônica que se revela decisivo para captar de modo convincente a singularidade desse microcosmo.

A autenticidade dos personagens -vividos por atores profissionais e por gente do bairro- e o fato de a filmagem ter sido feita no meio da multidão que circula diariamente pelo bairro, sem fechar as ruas, também contribuem para o resultado.

CHÂTEAU-PARIS (LA VIE DE CHÂTEAU)
ELENCO Jacky Ido, Tatiana Rojo, Jean-Baptiste Anoumon, Felicite Wouassi, Zirek Ahmet
PRODUÇÃO França, 2016, 14 anos
DIREÇÃO Modi Barry e Cédric Ido
AVALIAÇÃO Bom 

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Esportes

Na seleção um jogador de Balneário Camboriú  


Variedades

Vai rolar sorteio para o baile de abertura no Instagram do Página 3


Cinema

Nesta quarta-feira


Policia

Comandante recebeu título de cidadão honorário  


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade