Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

CINE CRÍTICA - 'A Odisseia', sobre Jacques Cousteau, cede à tentação da bela imagem

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.

Quinta, 22/3/2018 11:15.

CÁSSIO STARLING CARLOS
(FOLHAPRESS) - Mais que uma personalidade, Jacques Cousteau foi uma marca. As cores de suas roupas azuis, dos cabelos brancos e da boina vermelha afirmavam um orgulho nacional tão francês e fixaram no imaginário de várias gerações sua figura de aventureiro, de desbravador em programas que passavam e repassavam toda semana na TV.

Mas quem foi o homem Cousteau, além da imagem que ele construiu laboriosamente?

"A Odisseia", escrito e dirigido pelo francês Jérôme Salle, tenta dar conta dessa face oculta, reconstituindo, segundo o molde tradicional da cinebiografia, diversas etapas da vida do oceanógrafo francês.

Para alcançar essa camada apagada pela imagem oficial, o filme dedica bastante espaço ao filho predileto de Cousteau, morto num acidente aéreo em 1979.

A história começa com esse acontecimento marcante e recua até as origens, valorizando o relacionamento instável entre Jacques (Lambert Wilson) e Philippe (Pierre Niney) como principal recurso dramatúrgico.

Não há nenhuma intenção de danificar a figura heroica do capitão do Calipso, o barco que conduziu a equipe de Cousteau por décadas e milhas náuticas, ao mesmo tempo que serviu de casa para sua família.

Seu papel de proa não é questionado, mas o esforço maior é demonstrar como a personalidade narcisista e fantasista de Cousteau se apoiava em outras pessoas que ficaram à sombra.

A mais importante dentre elas é Simone, primeira mulher do capitão, que não só vendeu suas joias para financiar o sonho de transformar o Calipso em casa flutuante, como fazia o papel de âncora para o marido e administrava a vida cotidiana no barco.

Pena que a máscara de eterno enfado que Audrey Tautou empresta à personagem bloqueie uma empatia maior por Simone.

Phillipe, por sua vez, é quem mais se distancia do pai, criticando-o, mas também aprendendo a negociar com a figura paterna e midiática.

Mas a intenção de equilibrar o personagem, distinguindo-o do mito forjado por Cousteau, vai por água abaixo à medida que o filme cede à tentação da bela imagem.

Todo esboço de drama logo se dilui na profusão de cenas do pôr-do-sol, de peixinhos e peixões e da imensidão azul, postas ali para seduzir e distrair.

Esse tipo beleza pronta não chega a agregar valor. Basta compará-la com a dramaticidade que Cousteau e Louis Malle conseguiram obter no documentário "O Mundo Silencioso" (1956) para ver que a natureza, tal como filmada por Jérôme Salle, não passa de cenário.

A ODISSEIA (L'ODYSSÉE)
QUANDO Estreia nesta quinta (22)
CLASSIFICAÇÃO 12 anos
ELENCO Lambert Wilson, Pierre Niney e Audrey Tautou
PRODUÇÃO França/Bélgica, 2016. 123 min
DIREÇÃO Jérôme Salle
AVALIAÇÃO Regular. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Esportes

Na seleção um jogador de Balneário Camboriú  


Variedades

Vai rolar sorteio para o baile de abertura no Instagram do Página 3


Cinema

Nesta quarta-feira


Policia

Comandante recebeu título de cidadão honorário  


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade