Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

CINE CRÍTICA - 'Pedro Coelho' tem bom protagonista, mas narrativa sempre anda em círculos
Divulgação.

Quinta, 22/3/2018 11:20.

MARINA GALEANO
(FOLHAPRESS) - Pedro Coelho parece estar seguindo as pegadas de seu compatriota Paddington, que saiu das páginas dos livros do inglês Michael Bond para se tornar estrela de cinema. O carismático urso de chapéu vermelho já tem dois filmes de sucesso no currículo.

Agora é a vez do personagem travesso criado por Beatrix Potter ganhar um longa-metragem para chamar de seu. A adaptação às telas de um dos bichinhos mais populares da literatura infantil britânica coube a Sony Pictures, responsável pelo lançamento de "Pedro Coelho".

Nas mãos do diretor Will Gluck, porém, a atmosfera adocicada da obra de Potter vira fumaça. O herói recebe uma injeção extra de rebeldia e se transforma num parente distante do Pernalonga. Confusão por todo lado, ao estilo "Pica-Pau".

Ou seja, não sobra muito espaço a meiguices ou lições de moral. Pedro é encrenqueiro, egocêntrico, contraditório, vingativo e não mede esforços para conseguir o que quer -vale até provocar um choque anafilático no inimigo alérgico a amoras.

A cena, aliás, gerou furdunço nos EUA entre alguns pais de crianças que sofrem de alergia alimentar. E a Sony, pressionada pela onda politicamente correta, decidiu se pronunciar, pedindo desculpas por fazer humor com um "problema sério".

Polêmicas à parte, há de se admitir que o espírito (humanamente) transgressor de Pedro é um dos pontos altos da produção; o que lhe coloca no caminho oposto das inúmeras animações fofinhas -e insossas- sobre animais.

Nem mesmo o destino cruel de seu pai afasta o jovem coelho da horta do senhor McGregor (Sam Neill). Seduzido pelas frutas e hortaliças, o bicho inferniza a vida do fazendeiro e se livra definitivamente dele depois de uma perseguição alucinante.

Em meio a uma revolução dos bichos, um novo inimigo toma conta do pedaço: Thomas McGregor (Domhnall Gleeson), o sobrinho do velho ranzinza, que, para piorar, ainda se apaixona por Bea (Rose Byrne), a defensora dos coelhos.

Determinado a eliminar qualquer criatura da propriedade, o vilão trava uma batalha com Pedro e sua turma. A partir daí, choques, explosões e lutas corporais invadem a tela e denunciam o grande buraco do longa.

A narrativa sempre anda em círculos. A sucessão de conflitos não leva a história para lugar nenhum. À certa altura, tudo soa repetitivo; as piadas ficam gastas, e os diálogos, pobres. O núcleo de carne e osso tampouco traz profundidade ao enredo.

Uma pena, quando se considera todo o potencial de "Pedro Coelho". Sustentado por um visual bastante atraente (resultado da combinação eficiente entre "live action" e computação gráfica) e conduzido por um protagonista aventureiro cheio de nuances, o filme perde força e brilho diante de uma trama tão agarrada à superfície.

PEDRO COELHO (PETER RABBIT)
QUANDO estreia nesta quinta (22)
ELENCO Rose Byrne, Domhnall Gleeson e Sam Neill
PRODUÇÃO EUA, 2017, livre
DIREÇÃO Will Gluck
AVALIAÇÃO Regular 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Objetivo é liberar engordamento da faixa de areia e Molhe do Pontal Norte  


Justiça

Acusado diz que falará primeiro com seu advogado antes de se manifestar. Ele foi penalizado com advertência.


Cidade

Esta é uma das últimas etapas para obtenção da Bandeira Azul


Eleições

Maneca Dias e João Rodrigues entre os indeferidos


Publicidade


Variedades

Público pode participar de votação online  


Geral


Cidade

Lei municipal que favorecia os consumidores foi derrubada pelo Supremo 


Variedades

No Museu Oceanográfico de Piçarras  


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

CINE CRÍTICA - 'Pedro Coelho' tem bom protagonista, mas narrativa sempre anda em círculos

Divulgação.

MARINA GALEANO
(FOLHAPRESS) - Pedro Coelho parece estar seguindo as pegadas de seu compatriota Paddington, que saiu das páginas dos livros do inglês Michael Bond para se tornar estrela de cinema. O carismático urso de chapéu vermelho já tem dois filmes de sucesso no currículo.

Agora é a vez do personagem travesso criado por Beatrix Potter ganhar um longa-metragem para chamar de seu. A adaptação às telas de um dos bichinhos mais populares da literatura infantil britânica coube a Sony Pictures, responsável pelo lançamento de "Pedro Coelho".

Nas mãos do diretor Will Gluck, porém, a atmosfera adocicada da obra de Potter vira fumaça. O herói recebe uma injeção extra de rebeldia e se transforma num parente distante do Pernalonga. Confusão por todo lado, ao estilo "Pica-Pau".

Ou seja, não sobra muito espaço a meiguices ou lições de moral. Pedro é encrenqueiro, egocêntrico, contraditório, vingativo e não mede esforços para conseguir o que quer -vale até provocar um choque anafilático no inimigo alérgico a amoras.

A cena, aliás, gerou furdunço nos EUA entre alguns pais de crianças que sofrem de alergia alimentar. E a Sony, pressionada pela onda politicamente correta, decidiu se pronunciar, pedindo desculpas por fazer humor com um "problema sério".

Polêmicas à parte, há de se admitir que o espírito (humanamente) transgressor de Pedro é um dos pontos altos da produção; o que lhe coloca no caminho oposto das inúmeras animações fofinhas -e insossas- sobre animais.

Nem mesmo o destino cruel de seu pai afasta o jovem coelho da horta do senhor McGregor (Sam Neill). Seduzido pelas frutas e hortaliças, o bicho inferniza a vida do fazendeiro e se livra definitivamente dele depois de uma perseguição alucinante.

Em meio a uma revolução dos bichos, um novo inimigo toma conta do pedaço: Thomas McGregor (Domhnall Gleeson), o sobrinho do velho ranzinza, que, para piorar, ainda se apaixona por Bea (Rose Byrne), a defensora dos coelhos.

Determinado a eliminar qualquer criatura da propriedade, o vilão trava uma batalha com Pedro e sua turma. A partir daí, choques, explosões e lutas corporais invadem a tela e denunciam o grande buraco do longa.

A narrativa sempre anda em círculos. A sucessão de conflitos não leva a história para lugar nenhum. À certa altura, tudo soa repetitivo; as piadas ficam gastas, e os diálogos, pobres. O núcleo de carne e osso tampouco traz profundidade ao enredo.

Uma pena, quando se considera todo o potencial de "Pedro Coelho". Sustentado por um visual bastante atraente (resultado da combinação eficiente entre "live action" e computação gráfica) e conduzido por um protagonista aventureiro cheio de nuances, o filme perde força e brilho diante de uma trama tão agarrada à superfície.

PEDRO COELHO (PETER RABBIT)
QUANDO estreia nesta quinta (22)
ELENCO Rose Byrne, Domhnall Gleeson e Sam Neill
PRODUÇÃO EUA, 2017, livre
DIREÇÃO Will Gluck
AVALIAÇÃO Regular 

Publicidade

Publicidade