Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Em Boa Vista, Bolsonaro é recebido com carreata e comparado a Moisés
Arquivo Página 3.

Sexta, 13/4/2018 6:31.

FABIANO MAISONNAVE
BOA VISTA, RR (FOLHAPRESS) - Principal nome da "bancada da bala" no Congresso, o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) viajou nesta quinta-feira (12) a Boa Vista (RR) para apoiar as candidaturas de um empresário do agronegócio e de um pastor. Os dois disputarão o governo estadual e uma vaga no Senado, respectivamente.

Pouco experientes na política, o pecuarista e sojicultor Antonio Denarium, 54, e o pastor da Assembleia de Deus Isamar Ramalho, 55, comandaram a recepção do correligionário em Roraima, numa variação local da bancada "BBB" (Bíblia, boi e bala), do Congresso.

"Para cada tempo, Deus levanta um homem. Lá no deserto, levantou Moisés. E, para este tempo, para levantar o Brasil, Deus tem levantado Jair Bolsonaro", discursou o pastor Isamar.

Acompanhados por algumas centenas de simpatizantes -a maioria jovens-, eles seguiram em carreata do aeroporto até a região central de Roraima sob o sol quente do início da tarde. No percurso e na concentração, muitas camionetes luxo, tratores e caminhões boiadeiros.

Em sua fala e durante entrevista coletiva, Bolsonaro culpou a legislação ambiental e a demarcação de terras indígenas pelo atraso econômico de Roraima, além de prometer expulsar ONGs estrangeiras do país.

"Se eu fosse rei de Roraima, em 20 anos teríamos uma economia igual à do Japão", afirmou Bolsonaro, arrancando aplausos dos simpatizantes.

Apesar de parte do público ter entoado "Fora, [Romero] Jucá", Bolsonaro e os seus aliados pouparam o senador emedebista, o mais conhecido político de Roraima e réu no STF por corrupção e lavagem de dinheiro.

Ao ser questionado sobre Jucá durante a entrevista coletiva, disse que jamais subiria no palanque com ele. "Assim como, se eu for presidente, ele não vai sentar na minha frente e pedir o banco do Nordeste, da Amazônia."

COLIGAÇÕES

Bolsonaro, porém, afirmou que, com exceção de partidos de esquerda, não interferirá nas coligações estaduais: "A gente confia nos colegas".
Questionados sobre Jucá pela reportagem, tanto Denarium quanto o pastor Isamar disseram que não fazem oposição a nenhum grupo político de Roraima.

"Todos que tiverem os meus mesmos ideais serão muito bem-vindos", disse o pré-candidato a governador, também sócio de um frigorífico e vindo de Goiás há 27 anos.

Sobre a chegada de alguns milhares de imigrantes venezuelanos, o pastor Ramalho disse que os R$ 190 milhões liberados pelo governo federal para o acolhimento deveriam ser usados para a repatriação.

"[Eu] faria com que eles pudessem voltar à sua nação e daria ajuda pra eles lá dentro da nação deles", afirmou, apesar de o governo venezuelano ter se recusado a receber ajuda externa. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

20 são em uma rede de fast food Burguer King  


Justiça

Acusado diz que falará primeiro com seu advogado antes de se manifestar. Ele foi penalizado com advertência.


Cidade

Esta é uma das últimas etapas para obtenção da Bandeira Azul


Cidade

Lei municipal que favorecia os consumidores foi derrubada pelo Supremo 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Em Boa Vista, Bolsonaro é recebido com carreata e comparado a Moisés

Arquivo Página 3.

FABIANO MAISONNAVE
BOA VISTA, RR (FOLHAPRESS) - Principal nome da "bancada da bala" no Congresso, o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) viajou nesta quinta-feira (12) a Boa Vista (RR) para apoiar as candidaturas de um empresário do agronegócio e de um pastor. Os dois disputarão o governo estadual e uma vaga no Senado, respectivamente.

Pouco experientes na política, o pecuarista e sojicultor Antonio Denarium, 54, e o pastor da Assembleia de Deus Isamar Ramalho, 55, comandaram a recepção do correligionário em Roraima, numa variação local da bancada "BBB" (Bíblia, boi e bala), do Congresso.

"Para cada tempo, Deus levanta um homem. Lá no deserto, levantou Moisés. E, para este tempo, para levantar o Brasil, Deus tem levantado Jair Bolsonaro", discursou o pastor Isamar.

Acompanhados por algumas centenas de simpatizantes -a maioria jovens-, eles seguiram em carreata do aeroporto até a região central de Roraima sob o sol quente do início da tarde. No percurso e na concentração, muitas camionetes luxo, tratores e caminhões boiadeiros.

Em sua fala e durante entrevista coletiva, Bolsonaro culpou a legislação ambiental e a demarcação de terras indígenas pelo atraso econômico de Roraima, além de prometer expulsar ONGs estrangeiras do país.

"Se eu fosse rei de Roraima, em 20 anos teríamos uma economia igual à do Japão", afirmou Bolsonaro, arrancando aplausos dos simpatizantes.

Apesar de parte do público ter entoado "Fora, [Romero] Jucá", Bolsonaro e os seus aliados pouparam o senador emedebista, o mais conhecido político de Roraima e réu no STF por corrupção e lavagem de dinheiro.

Ao ser questionado sobre Jucá durante a entrevista coletiva, disse que jamais subiria no palanque com ele. "Assim como, se eu for presidente, ele não vai sentar na minha frente e pedir o banco do Nordeste, da Amazônia."

COLIGAÇÕES

Bolsonaro, porém, afirmou que, com exceção de partidos de esquerda, não interferirá nas coligações estaduais: "A gente confia nos colegas".
Questionados sobre Jucá pela reportagem, tanto Denarium quanto o pastor Isamar disseram que não fazem oposição a nenhum grupo político de Roraima.

"Todos que tiverem os meus mesmos ideais serão muito bem-vindos", disse o pré-candidato a governador, também sócio de um frigorífico e vindo de Goiás há 27 anos.

Sobre a chegada de alguns milhares de imigrantes venezuelanos, o pastor Ramalho disse que os R$ 190 milhões liberados pelo governo federal para o acolhimento deveriam ser usados para a repatriação.

"[Eu] faria com que eles pudessem voltar à sua nação e daria ajuda pra eles lá dentro da nação deles", afirmou, apesar de o governo venezuelano ter se recusado a receber ajuda externa. 

Publicidade

Publicidade