Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

James Rodríguez vive noite de torcedor e deixa a Rússia frustrado

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Reprodução

Terça, 3/7/2018 19:32.

FÁBIO ALEIXO E IGOR GIELOW / MOSCOU, RÚSSIA (FOLHAPRESS)

Fora das oitavas de final por causa de uma lesão na panturrilha direita sofrida contra Senegal na última rodada da fase e grupos, James Rodríguez teve uma noite de torcedor no estádio do Spartak e deixou a arena frustrado, assim como os milhares de colombianos.

Todos, claro, tristes pela eliminação para a Inglaterra nos pênaltis por 4 a 3 após empate por 1 a 1 no tempo normal e ma prorrogação. 

Artilheiro da última Copa, James acompanhou o jogo na primeira fileira das arquibancadas. Estava localizado à esquerda do banco da Colômbia. 

Ao seu lado estava o atacante do Palmeiras Miguel Borja, que também perdeu o jogo por lesão, e o ex-jogador argentino Estebán Cambiasso, assistente de José Pékerman. 

James iniciou o jogo calmo e assim permaneceu a maior parte do primeiro tempo, que não teve muitas emoções. 

Quando faltavam cerca de três minutos para o intervalo, se dirigiu ao vestiário.

Na volta, a mesma rotina e o mesmo assento. 

Mas o pênalti para a Inglaterra começou a deixar o jogador nervoso. Quando Harry Kane foi para a cobrança, ele se apoiou na proteção de acrílico que separa a arquibancada do campo e ficou torcendo por uma defesa de Ospina, o que não aconteceu. 

A tensão em campo, com divididas e cartões, deixou James ainda mais tenso. A cada decisão do árbitro americano Mark Geiger contra o time colombiano, ele reclamava. 

Em alguns momentos se levantou e não hesitou em soltar alguns palavrões. Também trocou mensagens pelo celular com alguém. 

Nervoso, tirou até o casaco que tinha desde o início do jogo em uma noite não tão quente em Moscou, com termômetros perto dos 16 graus. 

Com o fim do jogo chegando e a Colômbia precisando do empate, James passou a gesticular mandando o time para a frente. A pressão do time sul-americano foi crescendo. 

Até que aos 48min da segunda etapa veio um escanteio para a Colômbia. Na cobrança, Mina subiu mais que todo mundo e mandou de cabeça para o fundo da rede. 

Explosão da torcida colombiana, de James e de Borja. Saltaram, gritaram e se abraçaram.

Mas o sufoco não havia acabado. Era hora da prorrogação. Foi ao gramado e deu palavras de incentivos aos companheiros. 

Voltou ao seu lugar um pouco mais tranquilo. Ao menos à vista. 

Aos 13min, lamentou uma cabeçada de Falcao Garcia que quase foi para o gol. 

O segundo tempo da prorrogação correu rápido. James se apoiava no acrílico, torcia. Devia ser enorme a raiva por não poder estar em campo ajudando a equipe. 

Era a hora dos pênaltis. Mais uma vez foi ao gramado, se juntou à oração final dos colegas e voltou ao seu lugar. Vibrou muito com a defesa de Ospina em chute de Henderson. Pulou. Esmurrou o ar.

Mas também lamentou e muito as cobranças desperdiçadas por Uribe e Bacca. 

Quando Dier fez o gol que eliminou sua Colômbia, correu rápido em direção ao gramado e tirou sua credencial com raiva. Colocou também a mão na nuca em sinal de frustração. 

Foi ao vestiário, mas voltou rapidamente. Consolou Uribe que chorava muito e se sentou ao seu lado no banco de reservas.

Chegava ao fim ali a sua estada na Rússia, em um Mundial no qual jogou apenas 151 minutos e anotou um gol, na vitória de 3 a 0 sobre a Polônia. 

O técnico Jose Pékerman lamentou não ter podido contar com James nesta terça.

"Nos faltou um jogador chave na seleção, o jogador mais importante na criação. Um jogador determinante. Lamentavelmente não o tivemos em condição", disse o treinador.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade