Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Fifa coloca Brasil entre os favoritos ao título da Copa e destaca Neymar

Publicidade

Publicidade

Publicidade

André Mourão / MoWA Press
O jogador Neymar durante a partida amistosa entre as seleções do Brasil e Áustria, em Viena, Áustria, Domingo, 10 de Junho 2018

Segunda, 11/6/2018 13:07.

(UOL/FOLHAPRESS)

A Fifa considera a seleção brasileira uma das favoritas ao título da Copa do Mundo. Em nota em seu site, a entidade entende que o time de Tite superou o 7 a 1 da Copa de 2014 e que chega ao Mundial da Rússia com um elenco renovado, de qualidade e unido.

Neymar é apontado como o jogador diferenciado da seleção. A Fifa destacou o retorno do camisa 10 à seleção após fratura no pé. Neymar entrou no segundo tempo do amistoso contra a Croácia e marcou um golaço na vitória por 2 a 0.

"Houve um temor coletivo quando o talismã brasileiro sofreu lesão no pé no fim da temporada pelo PSG. Mas Neymar, que aos 26 anos já tem 54 gols pelo seu país e está se aproximando de Romário, Ronaldo e Pelé na lista de todos os tempos, está de volta à ativa."

"Seu retorno contra a Croácia, com um brilhante gol, lembrou a todos o quanto é extraordinário", acrescentou a Fifa.

Além do Brasil, a Fifa coloca a França, Alemanha e Espanha como favoritas à taça. Sobre os franceses, a Fifa exalta a força da nova geração, cuja estrela é atacante Kylian Mbappé.

Campeões do Mundial em 2014, os alemães são vistos pela Fifa como uma seleção experiente e que conservou a qualidade de quatro anos atrás.

A entidade vê a seleção espanhola como um time que se reaproximou do estilo de jogo que o consagrou em 2010. O jogador-chave apontado pela Fifa é David Silva. A Espanha voltou a trocar bastante passes e tem boa geração de atletas, avalia a Fifa.

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Justiça

Multa diária pelo descumprimento é R$ 10 mil 


Eleições

Condenado por corrupção e lavagem em decisão colegiada ele é inelegível  


Esportes

“Ele é um furacão”, diz seu treinador  


Entrevista

Ele aceitou ser "cobaia" dos jornalistas


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade