Jornal Página 3

'As relações sociais aumentam longevidade das mulheres', diz psicóloga
PUCRS.

Quinta, 7/12/2017 8:44.

NAIEF HADDAD
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A vida social influencia fortemente a longevidade das pessoas. Sendo assim, uma das razões principais para que as mulheres superem os homens em expectativa de vida é que elas cultivam os laços sociais, da infância à velhice, muito mais intensamente que eles.

Essa é a opinião da psicóloga canadense Susan Pinker, que realizou na noite desta quarta (6) a última conferência deste ano da série "Fronteiras do Pensamento". O evento aconteceu no teatro Santander, na Vila Olímpia, em São Paulo.

Pinker já foi professora de universidades como McGill, em Montreal, no Canadá, e teve artigos publicados em jornais dos EUA, como "The New York Times", e da Inglaterra, como "The Guardian". Atualmente, escreve sobre comportamento em uma coluna no norte-americano "Wall Street Journal".

A expectativa de vida no Canadá, país de Pinker, é de 84,1 anos para as mulheres e 80,2 para os homens. No Brasil, os números são mais baixos, mas também se verifica a distância: elas vivem, em média, 79,4 anos, e eles, 72,2. Em maior ou menor grau, essa diferença é detectada em quase todo o planeta.

Logo no início da sua fala, Pinker citou o exemplo da sua avó, que mantinha sempre à mão uma lista com nomes de pessoas para quem deveria ligar ao longo da semana. Ela se sentava ao lado de um pesado telefone preto e punha-se a bater papo com as amigas.

"As relações sociais protegem as mulheres", afirma a psicóloga.

TÊTE-À-TÊTE

O telefone preto é um bom exemplo de integração social. No entanto, de acordo com Pinker, não há contato que contribua mais para a saúde do que o presencial.

O tête-à-tête, como dizem os franceses, libera uma série de neurotransmissores que trazem bem-estar e reduzem o estresse, segundo Pinker, autora de "The Village Effect: How Face-to-Face Contact Can Make us Healthier, Happier and Smarter" [O Efeito Vilarejo: como o contato face a face pode nos tornar mais saudáveis, felizes e espertos], livro de 2014 ainda sem tradução no Brasil.

Durante a conferência, ela citou um estudo coordenado por Juliane Holt-Lunstad, professora de psicologia da universidade Brigham Young, em Utah (EUA).

A equipe de pesquisadores enviou para dezenas de milhares de pessoas de meia-idade um questionário a respeito do estilo de vida. Eram perguntas sobre estado civil, hábitos alimentares, se bebiam ou fumavam, a frequência com que faziam exercícios, entre outros pontos.

Sete anos depois, os pesquisadores retomaram o contato com essas pessoas com o objetivo de entender quais comportamentos tinham interferido na redução do risco de morte. Uma das principais conclusões de Holt-Lunstad foi que as relações sociais afetavam substancialmente a expectativa de vida.

Para Pinker, "é preciso praticar a sociabilidade como se faz baliza. Só se aprende treinando".

A psicóloga também citou estudo da neurocientista Elizabeth Redcay, da Universidade de Maryland (EUA), que mapeou as diferenças entre o que ocorre no cérebro quando há um contato pessoal e quando estamos diante de algo estático, como um tablet.

Redcay comparou as atividades de dois grupos: o primeiro estava envolvido em uma conversa sobre determinado assunto, e o segundo acompanhava um vídeo sobre o mesmo tema. Os integrantes do grupo inicial tiveram mais áreas cerebrais ativadas, como a associada a atenção.

REFEIÇÕES EM FAMÍLIA

Encerrada a conferência, Pinker respondeu a algumas perguntas do público.

Um espectador indagou a psicóloga sobre meios de reduzir o tempo que jovens e crianças dedicam aos jogos online.

Como passo inicial, ela sugeriu que os pais restabeleçam a tradição das refeições familiares pelo menos uma vez por dia. Segundo Pinker, este é um hábito cada vez mais incomum entre as famílias contemporâneas

Para ela, o desempenho escolar dos filhos tende a melhorar quando os pais tomam atitudes que reforcem a coesão familiar. 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade