Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Servidora impedida de falar em assembleia processa Lolli e Zerbato

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Youtube
Mariza, com o microfone na mão, impedindo a servidora de falar.

Segunda, 25/6/2018 8:25.

A servidora municipal Elaine Goncalves Weiss de Souza ingressou na justiça na última sexta-feira contra os diretores do sindicato dos servidores municipais Valdir Lolli e Mariza de Fatima Crespilho Zerbato porque foi impedida de falar em assembleia da categoria ocorrida no último dia 14.

Num vídeo que registrou a assembleia, a secretária geral do sindicato, Mariza de Fatima Crespilho Zerbato, tira o microfone de Elaine e na sequência alega que ela foi uma das que assinou para que Valdir Lolli deixasse de receber honorários de sucumbência.

Esses honorários são pagos aos procuradores do município, situação em que Lolli se enquadra, mas que trabalhem efetivamente na Procuradoria, o que não é seu caso.

O assunto gerou polêmica e deverá ser resolvido pelo judiciário. 

No entanto, o episódio mostra, mais uma vez, que o sindicato dos servidores está sendo usado para interesse próprio do seu presidente.

Elaine enviou uma carta ao jornal que pode ser lida abaixo.

Diretores do sindicato foram procurados pela reportagem na manhã de hoje, sem sucesso. O espaço está aberto para manifestarem sua posição.

O relato de Elaine

No último dia 14 de junho teve uma assembleia no Sindicato dos Servidores Públicos Municipais na Câmara de Vereadores.

Sou servidora, não associada. O Edital de chamamento indicava que todos os servidores deveriam ir.

Aliás, o estatuto do servidor público municipal de BC permite expressamente a livre manifestação e os votos dos servidores efetivos, em seu art. 11, parágrafo 10, em todas as Assembleias, e não somente dos associados.

Contudo, conforme vídeo que remeto anexo, fui impedida publicamente pelo Presidente Valdir Lolli, e sua Secretária Mariza Zerbato de falar e de votar. E eu iria falar justamente das questões jurídicas que envolvem os pedidos de novos benefícios trabalhistas aos estatutários. Em tempo: tenho tese de doutorado apresentada em Portugal justamente sobre a arrecadação tributária e a efetivação de direitos.

Foi uma humilhação sem tamanho.

O pior de tudo foi o motivo: alegaram, DE FORMA MENTIROSA e publicamente, que eu teria sido responsável por retirar os tais honorários de sucumbência do Presidente. Me expulsaram do local com seguranças.

Eu sou Procuradora há 14 anos, mas faço parte justamente de um grupo de 4 procuradores que não assinou o requerimento para retirada dos famigerados honorários. Eles mentiram descaradamente.

Além de não poderem ceifar o direito de fala de um servidor, o motivo em nada tinha a ver com a pauta da assembleia. E no mais era um problema privado do Presidente, não do Sindicato. O Presidente e sua Secretária mentiram aos servidores, dizendo que quem não é associado não pode se manifestar.

E forçaram ainda mais a mentira dizendo que o dinheiro que o Presidente não recebe mais foi repartido entre os outros Procuradores. Outro engodo para vitimizar o Presidente, e fazer crer que assim o Sindicato ficaria desestabilizado. O dinheiro está em conta pública aguardando, por precaução, algum muito provável deslinde judicial.

Já entrei com a ação de danos morais contra Presidente e Secretária. A Queixa-Crime será apresentada nos próximos dias pela difamação e injúria.

Lhe passo essa informação para corroborar as palavras do jornal que outrora li: o Sindicato não é mais dos servidores, é de Lolli, Mariza e seus pelegos. Muitos cientes das irregularidades de seus líderes, outros, com pouca compreensão, muito iludidos.

Eles são muito mentirosos, querem se vitimizar para cuidar apenas de seus egos.

Se fizeram isso comigo, que sou uma pessoa instruída, imagine o que não ocorre naquele microuniverso ditatorial do Sindicato.

Muito brigada por sua atenção. Também sou Jornalista. E professora universitária. Quando precisar de alguma informação ou esclarecimento, conte comigo.

Por favor, não publique o vídeo, foi muito vexatório.

Saudações,
Elaine G. Weiss de Souza


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade