Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Licitações da Emasa são alvo da Controladoria Interna da prefeitura

Publicidade

Publicidade

Publicidade

EBC.
Vai feder

Quarta, 16/5/2018 17:28.

A licitação da Emasa para um emissário de esgoto, no valor estimado de R$ 12 milhões foi suspensa devido a recurso de uma das licitantes. Paralelamente a Controladoria Interna da prefeitura abriu monitoramento de todos os procedimentos de compra daquela autarquia.

O foco da Controladoria é uma licitação no valor de R$ 32 milhões, para manutenção das redes de água e esgoto, cujas proposta serão recebidas no dia 08 de junho.

Existe a suspeita que houve atraso deliberado para lançamento do edital porque o contrato com a atual detentora do serviço encerra nesta quarta-feira.

Alguém na Emasa poderia estar tentando favorecer o atual detentor do serviço, o Consórcio Praia Linda que há cinco anos executa o trabalho, através de sucessivas prorrogações contratuais.

A assessoria jurídica da Emasa emitiu parecer de que este contrato com o Consórcio Praia Linda não pode mais ser prorrogado e que há “a provável hipótese de emergência fabricada”.

No mesmo parecer o jurídico da Emasa admite que a situação de urgência está consumada e uma contratação emergencial deve ser feita.

Diante disso a Emasa pediu proposta a sete fornecedores (Conasa, Ambiental, Itajuí -integrante do Consórcio Praia Linda-, Serrana Engenharia, Atlantis Saneamento, Veolia e Águas de Camboriú, mas apenas três (Itajuí, Serrana e Ambiental) apresentaram proposta.

A Ambiental, que opera as redes de esgoto de Itajaí e Joinville, apresentou a melhor proposta e prestará os serviços desde essa quinta-feira (17) até finalizar a licitação.

O representante do Consórcio Praia Linda (formado pelas empresas Itajuí e RBI) enviou correspondência ao Página 3 acusando a Emasa de manipulação e favorecimento, antecipando que irá à justiça porque entende que sua empresa deveria ser a favorecida com a prorrogação.

Na verdade, após apresentar seu preço para o contrato emergencial e descobrir que o do concorrente era mais barato, o Consórcio tentou negociar, baixando seu preço, o que seria um procedimento ilegal.

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade