Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Centro-direitista Sebastián Piñera assume a presidência do Chile
EBC.

Segunda, 12/3/2018 7:18.

SYLVIA COLOMBO, ENVIADA ESPECIAL
VALPARAÍSO, CHILE (FOLHAPRESS) - Numa cerimônia de pouco mais de uma hora, na cidade costeira de Valparaíso, a ex-presidente chilena Michelle Bachelet, de centro-esquerda, transmitiu neste domingo (11) a faixa presidencial pela segunda vez ao mesmo sucessor, o centro-direitista Sebastián Piñera.

O chile não permite a reeleição consecutiva, mas permite um segundo mandato.

Estiveram presentes à cerimônia os mandatários Enrique Peña Nieto (México), Lenín Moreno (Equador), Evo Morales (Bolívia), Michel Temer (Brasil) e a vice-presidente uruguaia, Lucía Topolansky, mulher do ex-presidente José Mujica (2010-15), além dos ex-presidentes chilenos Ricardo Lagos e Eduardo Frei.

Pela manhã, Bachelet, que deixa o cargo com aprovação de 39%, se despediu da equipe que trabalha no Palácio de La Moneda e distribuiu abraços emotivos a funcionários.

O presidente brasileiro, Michel Temer, foi o último convidado a chegar à cerimônia, poucos minutos antes de Bachelet, que chegou ao Congresso em carro aberto, cumprimentando o público.

Do lado de fora do edifício, havia dois grupos, um de simpatizantes da presidente, que trouxeram cartazes com sua foto e gritaram seu nome. Outro, de apoiadores de Piñera, aplaudiu sua chegada com a mulher, Cecilia Morel, e estendeu faixa de boas-vindas.

A transferência da faixa do cargo foi amistosa, com troca de sorrisos e um abraço. Depois, Piñera chamou um a um aos novos ministros, para tomar-lhes o juramento. A maioria deles havia integrado seu gabinete em sua primeira gestão (2010-2014).

No início da tarde, os presidentes da região participaram de um almoço

O argentino Mauricio Macri foi um dos mais aplaudidos e assediados pelo público e pelos jornalistas, tendo sido escoltado até seu carro.

A uruguaia Topolansky disse que se a questão da crise na Venezuela viesse à tona durante o almoço, ela se absteria de falar, "porque não gosto de me meter em temas de outros países". O Uruguai vem sendo, junto com a Bolívia, dos países mais reticentes em criticar a ditadura de Nicolás Maduro.

Já Enrique Peña Nieto surpreendeu ao ser indagado sobre a perspectiva de encontrar-se com seu par norte-americano, Donald Trump, na Cúpula das Américas, que ocorre em Lima em abril.

"É possível que eu não vá", disse, apressando o passo e sem dar mais explicações.

A presença do mexicano até então era tida como confirmada. Porém, apenas neste fim de semana a Casa Branca confirmou oficialmente a participação de Trump.

É possível que Peña Nieto queira evitar o encontro com o norte-americano, com quem vem tendo fricções, três meses antes da eleição presidencial em seu país.

TEMER

O brasileiro Michel Temer disse, ao final da cerimônia de posse de Piñera, que fez questão de vir cumprimentá-lo por causa da "relação comercial fortíssima entre o Brasil e o Chile" e pelo alinhamento liberal dos dois.

Temer manteve, também, uma breve reunião com Macri, na qual disse terem tratado do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia.

Embora o acordo esteja patinando há mais de uma década, Temer o classificou como avançado e disse que os chanceleres dos dois blocos devem se reunir em breve para tratar das pendências.

O presidente brasileiro ainda acrescentou que conversou com seu par peruano, Pedro Pablo Kuczynski, com vistas a uma parceria entre Mercosul e a Aliança do Pacífico.

O bloco que reúne Peru, Chile, Colômbia e México tem sido visto por investidores, nos últimos anos, como mais dinâmico que o Mercosul. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

20 são em uma lojas de fast food Burguer King  


Justiça

Acusado diz que falará primeiro com seu advogado antes de se manifestar. Ele foi penalizado com advertência.


Cidade

Esta é uma das últimas etapas para obtenção da Bandeira Azul


Cidade

Lei municipal que favorecia os consumidores foi derrubada pelo Supremo 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Centro-direitista Sebastián Piñera assume a presidência do Chile

EBC.

SYLVIA COLOMBO, ENVIADA ESPECIAL
VALPARAÍSO, CHILE (FOLHAPRESS) - Numa cerimônia de pouco mais de uma hora, na cidade costeira de Valparaíso, a ex-presidente chilena Michelle Bachelet, de centro-esquerda, transmitiu neste domingo (11) a faixa presidencial pela segunda vez ao mesmo sucessor, o centro-direitista Sebastián Piñera.

O chile não permite a reeleição consecutiva, mas permite um segundo mandato.

Estiveram presentes à cerimônia os mandatários Enrique Peña Nieto (México), Lenín Moreno (Equador), Evo Morales (Bolívia), Michel Temer (Brasil) e a vice-presidente uruguaia, Lucía Topolansky, mulher do ex-presidente José Mujica (2010-15), além dos ex-presidentes chilenos Ricardo Lagos e Eduardo Frei.

Pela manhã, Bachelet, que deixa o cargo com aprovação de 39%, se despediu da equipe que trabalha no Palácio de La Moneda e distribuiu abraços emotivos a funcionários.

O presidente brasileiro, Michel Temer, foi o último convidado a chegar à cerimônia, poucos minutos antes de Bachelet, que chegou ao Congresso em carro aberto, cumprimentando o público.

Do lado de fora do edifício, havia dois grupos, um de simpatizantes da presidente, que trouxeram cartazes com sua foto e gritaram seu nome. Outro, de apoiadores de Piñera, aplaudiu sua chegada com a mulher, Cecilia Morel, e estendeu faixa de boas-vindas.

A transferência da faixa do cargo foi amistosa, com troca de sorrisos e um abraço. Depois, Piñera chamou um a um aos novos ministros, para tomar-lhes o juramento. A maioria deles havia integrado seu gabinete em sua primeira gestão (2010-2014).

No início da tarde, os presidentes da região participaram de um almoço

O argentino Mauricio Macri foi um dos mais aplaudidos e assediados pelo público e pelos jornalistas, tendo sido escoltado até seu carro.

A uruguaia Topolansky disse que se a questão da crise na Venezuela viesse à tona durante o almoço, ela se absteria de falar, "porque não gosto de me meter em temas de outros países". O Uruguai vem sendo, junto com a Bolívia, dos países mais reticentes em criticar a ditadura de Nicolás Maduro.

Já Enrique Peña Nieto surpreendeu ao ser indagado sobre a perspectiva de encontrar-se com seu par norte-americano, Donald Trump, na Cúpula das Américas, que ocorre em Lima em abril.

"É possível que eu não vá", disse, apressando o passo e sem dar mais explicações.

A presença do mexicano até então era tida como confirmada. Porém, apenas neste fim de semana a Casa Branca confirmou oficialmente a participação de Trump.

É possível que Peña Nieto queira evitar o encontro com o norte-americano, com quem vem tendo fricções, três meses antes da eleição presidencial em seu país.

TEMER

O brasileiro Michel Temer disse, ao final da cerimônia de posse de Piñera, que fez questão de vir cumprimentá-lo por causa da "relação comercial fortíssima entre o Brasil e o Chile" e pelo alinhamento liberal dos dois.

Temer manteve, também, uma breve reunião com Macri, na qual disse terem tratado do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia.

Embora o acordo esteja patinando há mais de uma década, Temer o classificou como avançado e disse que os chanceleres dos dois blocos devem se reunir em breve para tratar das pendências.

O presidente brasileiro ainda acrescentou que conversou com seu par peruano, Pedro Pablo Kuczynski, com vistas a uma parceria entre Mercosul e a Aliança do Pacífico.

O bloco que reúne Peru, Chile, Colômbia e México tem sido visto por investidores, nos últimos anos, como mais dinâmico que o Mercosul. 

Publicidade

Publicidade