Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

ATUALIZADA - PF vê participação de senador Dalírio Beber em esquema no Ministério do Trabalho

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.
Senador Dalírio teve diálogos gravados pela PF.

Sexta, 1/6/2018 15:24.

FÁBIO FABRINI E LETÍCIA CASADO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal vê indícios de que os senadores Dalírio Beber (PSDB-SC) e Cidinho Santos (PR-MT) participaram das fraudes no Ministério do Trabalho investigadas na operação Registro Espúrio, deflagrada na quarta (30).

De acordo com a investigação, mesmo sem ocupar cargos na pasta, os senadores atuaram para deferir e indeferir pleitos sindicais de entidades que pretendiam favorecer.

As tratativas eram feitas com o atual coordenador-geral de Registro Sindical, Renato Araújo, nomeado para o cargo com ajuda dos congressistas.

Os investigadores suspeitam que, como contrapartida, os sindicatos ofereciam apoio aos políticos em eleições ou mesmo se filiavam a centrais por eles indicadas.

A PF viu elementos para pedir a prisão dos senadores, mas não o fez por causa de sua imunidade formal. Porém, requereu busca e apreensão em seus gabinetes, além de indiciamento e abertura de inquérito. O ministro do STF Edson Fachin não autorizou as medidas.

Mensagens de celular trocadas entre os senadores e Araújo indicam a troca de favores. Conforme o inquérito sobre o caso, o servidor colocava sua atuação no ministério à disposição dos parlamentares, e contava com apoio político para permanecer em cargos comissionados.

Santos disse à reportagem que não é alvo da operação e que não tem nenhum conhecimento sobre o assunto. Segundo ele, Renato Araújo lhe pediu ajuda, mas eles não são amigos.

Beber afirmou que está absolutamente tranquilo e ciente de sua inocência porque não cometeu nenhum ato ilícito. A reportagem não localizou Araújo, alvo de um pedido de prisão na operação. Mariângela Fialek não atendeu a telefonema da reportagem.

O Ministério do Trabalho informou que está acompanhando atentamente as ações da PF e aguardará a conclusão das investigações.

Nesta sexta, o diretor do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) Rogério Arantes, também investigado na operação, se entregou à PF. Ele é sobrinho do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), outro investigado.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Policia

Conheça o passo a passo das investigações da DIC e GAECO


Cidade

Hoje faz cinco anos desde o primeiro ato público em Balneário Camboriú


Cidade

Morto no sábado ele foi uma lenda no futebol catarinense  


Cidade

Jornal Página 3 prepara material especial para a data


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade