Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

PF diz que amigo de Temer recebeu R$ 1 milhão da Odebrecht em duas parcelas

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Valter Campanato/AB.

Terça, 8/5/2018 7:33.

LETÍCIA CASADO E FÁBIO FABRINI
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Laudo da Polícia Federal, obtido pela reportagem, indica que o advogado José Yunes, amigo do presidente Michel Temer, recebeu R$ 1 milhão da Odebrecht em duas parcelas de R$ 500 mil.

O segundo repasse, de acordo com análise dos investigadores, só teria ocorrido mediante pressões sobre a empreiteira e até a ameaça de um escândalo em Brasília.

O laudo foi elaborado a partir de novos arquivos entregues pela Odebrecht à Lava Jato, com registros dos sistemas Drousys e My Web Day, usados para gerir o pagamento de propinas a políticos.

A perícia da PF sobre essas mídias foi concluída em abril deste ano e integra o inquérito que apura se Temer e aliados negociaram, em reunião no Palácio do Jaburu, R$ 10 milhões em doações ilícitas de campanha para integrantes de seu partido, o MDB, parte delas usando o amigo e ex-assessor.

Os peritos recuperaram planilhas com a programação do suposto pagamento a Yunes, bem como dados da liquidação desse repasse. Além disso, foi encontrado um email no qual integrantes do esquema de corrupção da Odebrecht relatam pressão para que recursos fossem pagos.

Para os investigadores, os novos dados do inquérito corroboram a versão do MPF (Ministério Público Federal), que denunciou Yunes como arrecadador contumaz de propinas para Temer. Como a Folha de S.Paulo revelou no domingo, em depoimento prestado à PF, o policial militar Abel de Queiroz -que trabalhava como encarregado da Transnacional, firma de transporte de valores contratada pela Odebrecht- disse ter ido duas vezes ao escritório do advogado para fazer entregas de dinheiro.

Uma das planilhas esquadrinhadas no laudo descreve a programação inicial de pagar R$ 1 milhão, em 26 de agosto de 2014, por meio de compromisso firmado com "Angorá" -codinome associado aos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e de Minas e Energia, Moreira Franco.

A senha para a entrega dos recursos seria "Pássaro".

Num outro registro, consta que esse pagamento deveria ser feito "na rua Capitão Francisco, 90, Jardim Europa", onde funciona o escritório de Yunes. "Procurar o sr José Yunes ou a sra. Cida", diz o texto localizado pela PF.

Uma terceira tabela, intitulada "extrato bancário" e que registra a movimentação de recursos geridos por um dos doleiros da Odebrecht, indica que, ao invés de R$ 1 milhão, foram repassados inicialmente R$ 500 mil. Essa movimentação financeira, datada de 1º de setembro de 2014, tem o mesmo código de requisição que consta da programação inicial de pagamento no escritório de Yunes.

O email encontrado no material apresentado pela Odebrecht foi escrito em 30 de setembro de 2014, ou seja, quando, no entendimento da PF, os primeiros R$ 500 mil já teriam sido pagos. Foi enviado por Waterloo -codinome de a Fernando Migliaccio, executivo do departamento de propinas da empreiteira- a Vinho, o doleiro Álvaro Novis, que trabalhava para a empreiteira.

No texto, Waterloo diz que a programação de pagamento era de R$ 1 milhão, mas, por "questões de caixa", só havia autorizado pagar R$ 500 mil. Ele alega que a situação não poderia perdurar, em função do perfil do beneficiário dos recursos. "Dado o nível da pessoa, tanto do ponto de vista político, como do ponto de vista de caráter, não posso ficar com essa exposição", escreveu.

Na sequência, Waterloo relata intimidações. "Preciso resolver os R$ 500 mil que ele alega não ter recebido. Já ameaçou fazer escândalo em Brasília e o pior é que ele conhece muito do nosso esquema. Ou seja, não dá para vacilar com este sujeito", alertou.

O texto não deixa claro quem, exatamente, é a pessoa que fez a ameaça. José de Carvalho, um dos delatores da Odebrecht, relatou em depoimento que o deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ) chegou a pressionar a Odebrecht por um repasse na mesma quantia, que teria sido acertado durante o jantar no Jaburu.

Para a PF, os elementos colhidos nas mídias indicam que o email se refere à operação para entregar R$ 1 milhão no escritório de Yunes. Os dados adicionais da investigação, segundo o laudo, poderão corroborar essa ligação.

Waterloo finaliza o email pedindo ajuda do doleiro. "Repito, ele alega que não recebeu. Estou torcendo para ser um equívoco de extrato".
Em outro depoimento, também obtido pela reportagem, a ex-secretária do departamento de propinas da Odebrecht Maria Lúcia Tavares disse que a empreiteira pagou "de forma fracionada" a suposta propina destinada a Yunes.

Segundo ela, Carvalho lhe informou que a senhora Cida [personagem ainda desconhecido dos investigadores] reclamou com ele que o valor não havia sido entregue. "Mas, posteriormente, identificou que o valor havia sido pago, porém de forma fracionada, por superar R$ 500 mil", declarou, conforme a transcrição da oitiva, ocorrida em 17 de janeiro.

OUTRO LADO

O advogado de Yunes, José Luís de Oliveira Lima, disse em nota que seu cliente "jamais atuou como intermediário de qualquer pessoa", desconhece a existência de e-mails citados na investigação e "não conhece e nunca esteve com Abel de Queiroz".

"Apesar de a defesa não conhecer o teor desse eventual depoimento [de Abel Queiroz], José Yunes refuta qualquer ilação a seu nome", acrescentou.

O advogado de Temer, Brian Alves Prado, informou que a defesa "reitera as respostas já há muito tempo dadas sobre esse mesmo enredo, ou seja, nega qualquer envolvimento do presidente com os fatos em apuração". 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Esportes

Pista desafiadora e com visual incrível é um dos diferencias da prova


Informe Comercial

Saúde, bem estar e autoconhecimento


Policia

Outra pessoa que supostamente conhecia os fatos também foi assassinada


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade