Jornal Página 3

Cúpula do PSDB pressiona deputados a aprovar reforma da Previdência

Terça, 5/12/2017 16:21.

THAIS BILENKY
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A direção nacional do PSDB puxou a rédea para pressionar a bancada tucana na Câmara a votar obrigatoriamente a favor da reforma da Previdência.

O presidente interino do partido, Alberto Goldman, disse nesta terça-feira (5) que sua posição pessoal é pelo fechamento de questão, isto é, que os deputados sejam condicionados a votar pelo texto para não serem expulsos da sigla.

"Nunca falei nem que sim nem que não, é uma possibilidade. A minha posição é favorável ao fechamento, o partido precisa ter uma posição clara e definida", afirmou Goldman.

O tom dessa vez é mais incisivo do que o de duas semanas atrás, quando Goldman afirmou que "nunca entrou em cogitação fechar questão."

A assertividade ocorre após o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso voltar a defender o voto pela reforma previdenciária em artigo no domingo (3). Além dele, o senador Aécio Neves (MG), presidente afastado do PSDB, entrou em campo, conforme mostrou a Folha de S.Paulo, para pressionar os deputados.

A votação estava marcada para esta quarta-feira (6), e a Executiva tucana reservou encontro para debater a questão na mesma data.

O líder da bancada do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP), porém, disse não saber se haverá quorum.

"Se a maioria da bancada entender e os senadores entenderem que deve fechar questão, a Executiva se reúne. Se a maioria entender que não, não tem fechamento questão", replicou.

O deputado sugeriu postergar a decisão para depois da convenção nacional do PSDB, no sábado (9), que renovará o comando partidário. O governador paulista, Geraldo Alckmin, favorável ao texto, deve assumir o partido.

"Se não vai votar [a reforma no] dia 6, o mais prudente era deixar para a nova Executiva do partido discutir o fechamento de questão", disse.

CONCESSÕES

As divergências ocorrem também no mérito. Tripoli encomendou à assessoria técnica da liderança do PSDB na Câmara um estudo sobre a viabilidade de flexionar medidas da reforma.

Segundo antecipou em entrevista na semana passada, algumas das mudanças sugeridas seriam a concessão de benefício integral na aposentadoria por invalidez, permissão para acumular benefícios (pensão e aposentadoria) até o teto do INSS e uma regra de transição especial para servidores que ingressaram no sistema até 2003.

O líder disse à reportagem que, dos cinco pontos da nota técnica, abriria mão de dois, mas não informou quais. A aposentadoria integral por invalidez, sugerida pela deputada Mara Gabrilli (SP), é inquestionável, disse Tripoli.

Goldman, por sua vez, disse que o texto em elaboração na liderança da Câmara não representa a posição do PSDB. "É coisa dele, não é coisa nossa", disse. "Tem elementos de recuo, e nós não vamos recuar."

O presidente interino do PSDB cobrou a apresentação do texto final a ser votado na Câmara, em reformulação pelo deputado Arthur Maia (PPS-BA). "Tem que ter o texto [para definir a posição do partido]. A tese que defendemos é a diminuição das desigualdades e a eliminação de privilégios. Quanto mais avançar nesse sentido, mais positivo será."

Nos últimos dias, o presidente Michel Temer (PMDB) passou a articular com Arthur Maia, relator da reforma na Câmara, uma versão mais enxuta da medida para garantir apoio mínimo para sua aprovação.

O governo, inclusive, prometeu liberar R$ 3 bilhões em 2018 a prefeitos que convencerem deputados a votar pela medida.

Aliado a Aécio, o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG) ainda se mostrou resistente a fechar questão para evitar a expulsão de dissidentes, mas apelou aos deputados que votem a favor da reforma pensando na coerência do discurso e no apoio que o PSDB receberá na eleição presidencial de 2018, sobretudo do PMDB.

Segundo Pestana, Alckmin iria a Brasília ainda nesta terça e a expectativa é que negociasse a questão com a bancada. A assessoria do governador não confirmou a viagem.

"Ele é o nosso principal candidato e o desdobramento dessa votação terá impactos na preparação do tabuleiro de 2018. Estamos a dez meses da eleição e a sete das convenções. Então, isso trará uma marca muito forte em termos da consistência da nossa candidatura", argumentou o deputado.

"Geraldo está chegando hoje em Brasília. Espero que faça contatos e lidere o posicionamento do PSDB de apoiar a reforma. Fechar questão é secundário, é desmoralizante."

Pestana disse que os colegas resistem a apoiar a reforma da Previdência por ser uma medida impopular. "É tática eleitoral, deputados acham que vai tirar voto." 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade