Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

'Não vão prender meus sonhos', diz Lula em último ato pré-STF

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Adriano Vizoni/Folhapress.jpg

Terça, 3/4/2018 6:00.

ITALO NOGUEIRA
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - No último ato antes do julgamento do STF (Supremo Tribunal Federal), o ex-presidente Lula afirmou na noite desta segunda-feira (2) que quer sua inocência de volta. Ele disse também que uma eventual prisão não irá encarcerar seus pensamentos e sonhos.

"Não estou aqui pelo direito de ser candidato. Eu quero que eles parem de mentir a meu respeito, devolvam a minha inocência, porque eu quero ser candidato", disse o petista.

"Eles não vão prender meus pensamentos, não vão prender meus sonhos. Se não me deixarem andar, vou andar pelas pernas de vocês. Se não me deixarem falar, falarei pela boca de vocês. Se meu coração deixar de bater, ele baterá no coração de vocês", disse Lula a um Circo Voador lotado -a capacidade é de 5.000 pessoas.

Ele participou do "Ato em defesa da democracia e justiça para Marielle Franco", no Circo Voador, casa de shows na Lapa, centro do Rio. Este evento foi anunciado como o último evento antes do julgamento do STF (Supremo Tribunal Federal) na quarta-feira (4), que vai analisar o habeas corpus da defesa do petista contra a ordem de prisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Condenado por corrupção pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Lula depende de um habeas corpus do STF para não ser preso. Os ministros se reúnem na quarta-feira (4) para decidir sobre o caso.

Lula voltou a criticar as decisões do juiz Sérgio Moro e dos magistrados do TRF-4 e disse que não aceita a "ditadura do Ministério Público".
"Eu não estou acima da lei. Quero ser tratado como qualquer cidadão. Quero que eles parem de mentir. Quero ser julgado com base no mérito. Se encontrarem uma prova, eu me calo", declarou ele.

O STF analisará apenas a constitucionalidade da prisão após acórdão da segunda instância

MARIELLE Estavam ao lado do petista o cantor Chico Buarque, a pré-candidata à Presidência Manuela D'Ávila (PC do B), membros do PSOL, PSB, PDT e PCO, e a viúva de Marielle Franco, a arquiteta Mônica Benício.

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, pediu aos partidos de esquerda união entorno da pré-candidatura de Lula. Ela disse que o momento é de lutar contra o avanço do que ela classificou como fascismo.

"A história vai nos cobrar por esse momento, pelo enfrentamento das forças do atraso. Temos que lutar pelo Brasil, pelo povo brasileiro, pela democracia, pela nossa Constituição. É isso que o povo espera de nós. Por isso a tarefa mais importante é que a gente forme uma grande e ampla frente democrática e progressista", disse a senadora.

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) defendeu a pré-candidatura de Lula e a união dos partidos de esquerda, embora com candidaturas múltiplas.

"A gente está aqui para não termos que contar mais corpos para nos juntar", disse Freixo, em referência à morte de Marielle, sua ex-assessora.

O ato estava marcado como lançamento da pré-candidatura de Lula à Presidência, Celso Amorim ao governo do Rio e de Lindbergh Farias ao Senado. Mas alterou seu mote para "defesa da democracia".

Mônica Benício afirmou que o assassinato de Marielle "é só mais um ataque a democracia que estamos vivendo". 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade