Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Prefeitura de Camboriú rebate críticas por baixos salários na Saúde

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação

Sexta, 20/4/2018 9:50.

Está dando o que falar a denúncia da vereadora Jane Steffen (REDE) que a prefeitura de Camboriú pagará salários abaixo do piso para profissionais da Saúde contratados após processo seletivo, que está em fase de finalização. O Sindicato dos Médicos (SIMESC) emitiu uma nota de repúdio e o município rebateu.

As críticas

Jane defende que o fato de a administração pública poder regular os salários dos contratados, não significa que possa ser tão discrepante dos acordos coletivos de trabalho. Ela aproveitou para criticar a postura do prefeito Élcio Kuhnen, que é médico e apresentou as comparações entre o que é oferecido e reivindicado pelas categorias.

No caso dos médicos, enquanto o piso nacional indicado para a categoria é de R$ 14.134,58 para vinte horas, o concurso oferece remuneração de R$ 1.566,58 para doze especialidades como neurologistas, cardiologistas e ginecologistas.

Segundo o edital do processo seletivo, o salário para a vaga de psicólogo geral é de R$ 1.685,94, quando o piso indicado é de R$ 3.728,05. Para farmacêutico/bioquímico (Geral) o salário oferecido é de R$ 1.685,94, enquanto o sindicato indica pisos a partir de R$ 2.275,00.

No caso dos fisioterapeutas, a remuneração oferecida é de R$ 1.035,23 e o piso nacional indicado pela Federação da categoria é de R$ R$ 2.750,80. Já os nutricionistas receberão R$ 1.685,94 por 40 horas trabalhadas semanalmente, quando o indicado seria R$ 2.837,00.

O sindicato

O SIMESC criticou o município e argumentou que a remuneração inadequada gera pelo menos dois problemas: a não fixação do profissional no serviço público de saúde e a falta de condições do médico se manter atualizado e com competência técnica de entregar o atendimento que a população merece e necessita.

“A saúde precisa ser prioridade e não pode ser tratada com migalhas”. encerra a nota.

O que diz o município

Leonardo Teixeira, secretário de Administração, comentou os apontamentos da vereadora. Ele afirmou que são pertinentes no sentido de buscar a valorização dos profissionais qualificados para as devidas áreas, mas ressaltou que Camboriú passa por uma crise financeira, situação vivida por pelo menos 80% dos municípios catarinenses, onde as receitas não dão conta de cobrir os gastos.

“Temos que ser conscientes neste momento e não arriscar, ampliar a folha de pagamento e correr o risco de no final do ano não conseguir pagar ninguém”, enfatizou.

Ele destaca ainda que Camboriú vivencia uma realidade problemática, como muitos outros municípios, de ultrapassar o limite prudencial com gastos com pessoal, estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Estamos nos movimentando para não criar problemas no sentido de agravar essa situação e posteriormente solucioná-la com uma reforma administrativa ou até mesmo com a revisão do estatuto do servidor, enfim outras estratégias para tentar solucionar resolver essa problemática e trazer de volta pra Camboriú a saúde fiscal e administrativa e aí sim investir na valorização do profissional”, finalizou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Policia

Conheça o passo a passo das investigações da DIC e GAECO


Cidade

Hoje faz cinco anos desde o primeiro ato público em Balneário Camboriú


Cidade

Morto no sábado ele foi uma lenda no futebol catarinense  


Cidade

Jornal Página 3 prepara material especial para a data


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade