Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

80% dos atendimentos do Ruth Cardoso em abril poderiam ser feitos em postos de saúde

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Daniele Sisnandes/Página 3

Sexta, 18/5/2018 16:02.

Por Daniele Sisnandes

O Hospital Municipal Ruth Cardoso, de Balneário Camboriú, tem uma rotina movimentada, com dias em que a fila por atendimento vence horas, em uma média de seis a sete mil pacientes por mês. Levantamento feito pelo hospital revelou que só em abril, cerca de 80% dos atendimentos poderiam ter sido resolvidos em postos de saúde.

A análise se baseia no acolhimento com classificação de risco, uma tabela que estabelece os níveis de gravidade e tempo de espera previsto para cada tipo de atendimento.

Em abril foram atendidas no pronto socorro 7.690 pessoas. Menos de 1.500 foram consideradas efetivamente urgências e mais de 6.000 avaliados como “verde”, que são os casos de menor gravidade que poderiam ser atendidos nas unidades básicas de saúde distribuídas pela cidade ou até pelo PA da Barra.

Falta informação

Apesar de boa parte da população saber que existem os postos de saúde nos bairros, muitos preferem ir ao hospital, onde o atendimento prioritário é para emergências e urgências.

Segundo o diretor de enfermagem do HMRC, Ricardo Lorenz Brodersen, entre os casos que chegam estão febre, dor de ouvido e até queda de cabelo.

Traumas têm prioridade. Socorrista de várias cidades da região encaminham os casos de trauma para o Ruth Cardoso e todas essas pessoas passam automaticamente na frente daqueles que já estão aguardando atendimento.

“Os pacientes não entendem, mas temos que atender primeiro quem chega de ambulância”, explicou Ricardo.

A insatisfação acaba acontecendo porque mesmo com a classificação na parede para todos verem, quem está na fila não entende que sua dor de cabeça pode ser menos grave que uma pessoa que chega evacuando sangue.

Os níveis de gravidade:

Pela classificação, há um tempo de espera predefinido para cada nível de gravidade.

  • Emergências (cor vermelha) devem ser atendidos na hora, são considerados gravíssimos
  • Muito Urgente (laranja) caso de gravidade moderada com necessidade de atendimento em até 10 minutos.
  • Urgente (amarelo) caso de gravidade moderada com necessidade de atendimento em até 30 minutos.
  • Pouco Urgente (verde) menor gravidade, podem aguardar ou serem encaminhados para unidades básicas. Espera de até 120 minutos.
  • Não Urgente (azul) casos leves que podem ser encaminhados para UBS e ESF. Espera de até 240 minutos.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Policia

Conheça o passo a passo das investigações da DIC e GAECO


Cidade

Hoje faz cinco anos desde o primeiro ato público em Balneário Camboriú


Cidade

Morto no sábado ele foi uma lenda no futebol catarinense  


Cidade

Jornal Página 3 prepara material especial para a data


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade