Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Boa surpresa, 'Tudo que Quero' reforça talento de Dakota Fanning

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Quinta, 26/4/2018 13:48.

SÉRGIO ALPENDRE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - É interessante ver o progresso das talentosas irmãs e atrizes Dakota e Elle Fanning, que começaram a brilhar nas telas quando crianças.

A mais nova, Elle (nascida em 1998), parece ter finalmente chegado a um ponto de virada em sua carreira com "O Estranho que Nós Amamos" (Sofia Coppola, 2017).

Esse ponto havia chegado antes para Dakota (1994). Foi com "The Runaways: Garotas do Rock" (2010), em que interpreta a vocalista da banda Runaways. Nenhum dos filmes citados deve ficar nos anais da história. E "Tudo que Quero", de Ben Lewin, que comprova o talento de Dakota, não atingirá patamar superior.

É, contudo, um filme agradável de se ver, muito graças a ela, aqui num papel desafiador: Wendy, moça autista de 21 anos que escreve um roteiro para mais um episódio de "Star Trek", como parte de um concurso.

Sabemos que o problema de uma pessoa autista não é de inteligência ou aptidão, e sim de comunicabilidade. Mas, mesmo dizendo com todas as letras que tem um roteiro que precisa ser enviado a Hollywood, ninguém parece lhe dar ouvidos. Ou seja, é problema de atenção também, mas dos que a amam.

Até que ela resolve levar o roteiro por conta própria, saindo de San Francisco (quase 600 quilômetros ao norte) na companhia de seu cachorrinho. O filme então cresce, tornando-se um road movie, espécie de primo mais modesto do "História Real" de David Lynch.
Num papel desses, há sempre o risco da comiseração e do sentimentalismo, algo na linha "Rain Man", em que nem o habilidoso Barry Levinson conseguiu superar a contento algumas armadilhas impostas pela trama.

Sabiamente, preferiu-se o tom menor, uma produção pequena, com um diretor mais habituado a séries de TV e já distante de seu maior sucesso no circuito indie: "O Favor, O Relógio e o Peixe Muito Grande" (1991).

"Tudo que Quero" é também um reencontro com Toni Colette, atriz quase sempre mal aproveitada, em um papel digno de seu carisma. Há ainda a relação conflituosa, mas de amor, entre Wendy e a irmã Audrey. A cena em que Audrey vê imagens das duas, ainda crianças, brincando ao piano é talvez a mais tocante, sem cair na chantagem emocional.

Lewin ainda consegue dosar os momentos em que Wendy sai dos trilhos com aqueles em que ela se mostra brilhante e, principalmente, entende o tamanho de seu filme. O longa é uma singela surpresa. Longe de ser imperdível, mas bem acima do insignificante.

TUDO QUE QUERO
Classificação: 10 anos
Elenco: Dakota Fanning, Toni Collette e Alice Eve
Produção: Estados Unidos, 2017. 93 min
Direção: Ben Lewin
Avaliação: bom

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade