Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

CINE-CRÍTICA - Roteiro frágil em 'De Volta' prejudica drama sobre cicatrizes da guerra civil libanesa

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.

Quinta, 8/3/2018 8:52.

(FOLHAPRESS) - Em seu primeiro longa-metragem de ficção, a libanesa Jihane Chouaib discute um assunto do qual seus compatriotas não podem escapar: os traumas da longa guerra civil (1975-1990) que devastou o país. A questão central é a dolorosa relação entre memória e esquecimento ligados ao conflito.

Exilada há muito tempo na França, a jovem Nada (Golshifteh Farahani) retorna ao povoado natal no Líbano e se instala no casarão da família, onde passou a infância, que está abandonado e quase em ruínas. Ela volta com um propósito: descobrir o que aconteceu com o avô, desaparecido misteriosamente durante a guerra civil, quando ela era criança.

A família -com a qual ela pouco se relaciona- e os habitantes do lugar, reprovam a iniciativa, pois escolheram o silêncio para evitar lidar com o sentimento de culpa. Seu irmão Samir (Maximilien Seweryn), que também vive no exterior, não demora a voltar, mas com intenções muito diferentes: vender a casa.

Nada dedica seu tempo a investigar. Conversa com uma tia, com alguns moradores do vilarejo, mas não arranca nada. O reencontro com a casa desperta recordações da infância e do avô, apresentados em flashbacks e sonhos.

Presa às próprias lembranças e a um passado que mitifica -o avô seria um herói de guerra. Nada tenta montar esse quebra-cabeça. Mas ela não tem elementos para fazer a investigação avançar, para desenterrar o silencio em torno do avô. Mesmo quando um miliciano lhe diz que o avô não era um santo, ela tampouco consegue verificar a informação.

Assim como a busca, a narrativa, também não avança, parece girar constantemente em falso. Quando Nada e o irmão partem para o sul com a intenção de seguir uma nova pista, a expectativa acaba se frustrando.

Não há dúvida que o ponto de partida é bastante interessante, mas as fragilidades do roteiro de Chouaib -estático e demonstrativo demais- impedem que o espectador se interesse pela busca.

Em meio a essa esterilidade, o casarão da família -com sua montanha de lixo no que um dia foi o jardim, suas paredes com marcas de balas, restos de sangue e cobertas por desenhos feitos pela jovem quando era criança- representa com muito mais eloquência do que a narrativa em si o peso do passado, suas glórias, misérias e enigmas.

DE VOLTA (GO HOME)

ELENCO Golshifteh Farahani, Maximilien Seweryn, François Nour, Mireille Maalouf
PRODUÇÃO França, Suíça, Bélgica, 2015, 14 anos
DIREÇÃO Jihane Chouaib
AVALIAÇÃO regular. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Justiça

Multa diária pelo descumprimento é R$ 10 mil 


Eleições

Condenado por corrupção e lavagem em decisão colegiada ele é inelegível  


Esportes

“Ele é um furacão”, diz seu treinador  


Entrevista

Ele aceitou ser "cobaia" dos jornalistas


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade