Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

CINE-CRÍTICA - 'O Filho Uruguaio' aborda sequestro de criança sem maniqueísmo

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.

Quinta, 8/3/2018 8:57.

LÚCIA MONTEIRO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Sylvie (Isabelle Carré) é uma garçonete francesa que teve o filho sequestrado pelo ex-marido uruguaio.

Depois de quatro anos de imbróglio judicial e buscas pouco frutíferas, ela localiza Felipe (Dylan Cortes): o pai morreu, a criança agora vive com a avó e a tia numa cidadezinha do Uruguai. Sylvie consegue juntar dinheiro para a viagem. Apoiada pelo assistente social Mehdi (interpretado pelo comediante Ramzy Bedia, excelente num raro papel sério), pretende raptá-lo e levá-lo de volta à França.

Sinopse objetiva de "O Filho Uruguaio", as linhas acima têm o defeito de organizar uma trama que, no filme, surge de maneira confusa. O terceiro longa-metragem do francês Olivier Peyon, autor da ficção "Pequenas Férias" (2006) e do premiado documentário "Como Detestei Matemática" (2013), começa "in media res", ou "no meio das coisas".

Quando vemos Sylvie e Mehdi na embarcação que os conduz a Montevideu, ela contando dinheiro, ele ao telefone, pouco entendemos daquela história que parece ter começado sem nossa presença -e que estampa a tela com tamanha intensidade. Leva tempo até que se entendam as motivações de cada personagem. Tal recurso confere ao enredo um bem construído clima de suspense.

A ousadia narrativa, no entanto, logo esmorece, dando lugar a uma mise-en-scène mais didática e a certo academicismo. Há planos filmados com maestria, num domínio da luz de indubitável beleza. Figurino e cenários, coordenados numa palheta que combina tons de bege e azul, sublinham um retrato nostálgico e pacato do interior uruguaio, por onde circulam velhas bicicletas e caminhões anos 1960.

Mais positivos do que negativos, esses elementos contribuem, no entanto, para que o filme soe falso, sobretudo quando combinados a dificuldades ligadas ao elenco internacional. Produção francesa rodada na América do Sul, o longa de Peyon traz atores desigualmente bilíngues, de modo que cenas rodadas em espanhol precisaram ser dubladas em francês e vice-versa, o que não favorece a autenticidade dos diálogos.

Felizmente, o roteiro não subscreve aos maniqueísmos costumeiramente envolvidos em histórias com crianças sequestradas. Felipe é feliz ao lado da avó e da tia, que lhe tratam com amor. A mãe não se encaixa no papel de heroína. Um tanto descontrolada, assusta o filho. O assistente social foge aos protocolos e se envolve excessivamente com a família.

Diante disso tudo, com quem deve ficar o garoto? Para as mais complicadas e situações da vida, não há mesmo solução ideal. Essa consciência é o trunfo do filme.

O FILHO URUGUAIO

QUANDO estreia nesta quinta (8)
ELENCO Isabelle Carré, Ramzy Bedia, María Dupláa
PRODUÇÃO França, 2017, 12 anos
DIREÇÃO Olivier Peyon
AVALIAÇÃO Bom 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade